CTT abrem rede postal a concorrentes

  • Lusa e ECO
  • 28 Dezembro 2017

Para responder às preocupações jusconcorrenciais expressas pela Autoridade da Concorrência, CTT apresentaram um conjunto de compromissos, entre os quais está a abertura da rede postal a concorrentes.

Os CTT vão alargar aos concorrentes o âmbito da oferta de acesso à rede postal dos Correios de Portugal, segundo um conjunto de compromissos apresentado em 22 de dezembro, divulgou esta quinta-feira a Autoridade da Concorrência (AdC).

Em comunicado, o regulador refere que, “com o objetivo de responder às preocupações jusconcorrenciais manifestadas pela AdC, os CTT apresentaram, em 22 de dezembro de 2017, um conjunto de compromissos que consistem no alargamento do âmbito da oferta de acesso à rede postal dos CTT (oferta de acesso), disponibilizada para os operadores postais concorrentes”.

Ao todo, são cinco os compromissos apresentados pela empresa que é liderada por Francisco de Lacerda, entre os quais o “alargamento dos serviços de correio abrangidos na oferta de acesso, nomeadamente o Serviço Editorial Nacional, o Serviço Prioritário Nacional e o Serviço Registado Nacional”, bem como a “introdução de novos pontos de acesso à rede postal dos CTT, mais a jusante na cadeia de distribuição postal”, o que inclui “centros de produção e logística de destino e um conjunto alargado de lojas CTT (com exceção do Serviço Base Nacional com peso até 50 gramas)”.

Outro dos compromissos, segundo a AdC, é a “introdução de prazo de entrega mais rápido no caso do acesso através das lojas CTT para o Serviço de Base Nacional com peso superior a 50 gramas e Serviço Editorial Nacional” e ainda a “possibilidade de um operador concorrente poder realizar tarefas de tratamento adicionais, nomeadamente a separação do correio por zona de distribuição do centro de distribuição postal e por artéria”.

Os CTT – Correios de Portugal comprometem-se ainda a ter um “tarifário de acesso à rede inferior ao praticado aos clientes finais, com preços diferenciados consoante o ponto de acesso, serviço de correio e tarefas de tratamento realizadas pelo operador concorrente”.

A AdC, presidida por Margarida Matos Rosa, recorda que “pode aceitar compromissos, propostos pelos visados em processos de contraordenação, que se revelem adequados a eliminar os efeitos sobre a concorrência decorrentes das práticas em causa”, adiantando que os CTT “ficam obrigados ao cumprimento destes compromissos, sob monitorização da AdC”.

A partir desta quinta-feira, os compromissos apresentados pelos CTT vão estar em consulta pública por um período de 20 dias úteis, sendo que posteriormente “haverá lugar a uma decisão final na qual a AdC terá em conta as observações apresentadas pelos interessados”.

Em 13 de fevereiro de 2015, a AdC abriu um processo de contraordenação contra os CTT por indícios de infração às regras de concorrência, adotando em 12 de agosto de 2016 uma nota de ilicitude (comunicação de acusações).

A investigação feita na altura pela AdC “identificou a existência de um conjunto de preocupações jusconcorrenciais relacionadas com o acesso à rede de distribuição de correio tradicional dos CTT por operadores postais concorrentes”.

Perante a necessidade de os operadores postais concorrentes acederem à rede de distribuição postal dos Correios para poderem prestar serviços de correio tradicional a clientes empresariais, a AdC “considerou, a título preliminar, que o comportamento dos CTT poderia potenciar um efeito restritivo da concorrência, por criar obstáculos ao desenvolvimento de uma concorrência efetiva no mercado de correio tradicional”.

Foi nesta sequência que os CTT apresentaram o conjunto de compromissos sujeitos a consulta pública. Os resultados da mesma serão publicados na página eletrónica da Autoridade da Autoridade da Concorrência.

CTT reiteram: não houve “violação das regras de concorrência”

Já no final do dia desta quinta-feira, os CTT emitiram um comunicado onde reiteram que “consideraram sempre não existir qualquer violação das regras de concorrência nas condições de acesso à rede postal”. Segundo a empresa, os CTT estiveram sempre “disponíveis” para “aperfeiçoar as ditas condições de acordo com determinados princípios de integridade e eficiência”.

Foi neste contexto e na sequência de conversações com a AdC que os CTT, indo ao encontro das suas preocupações, apresentaram em 22 de dezembro passado, os termos do alargamento da sua oferta de acesso à rede para outros operadores postais licenciados, no pressuposto de que a sua conduta não infringira as regras de concorrência”,
sublinha a nota remetida à comunicação social.

Desta feita, “a proposta ora apresentada, contribui para promover a concorrência e vem ao encontro desse objetivo, está de acordo com princípios de transparência e de adequação à procura, facilitando o acesso de novos operadores em termos compatíveis com a sustentabilidade do serviço universal”.

(Notícia atualizada às 17h25 com comunicado dos CTT)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT abrem rede postal a concorrentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião