Trabalhadores dos CTT terminam greve de dois dias com adesão de 70%, diz sindicato

  • Lusa
  • 22 Dezembro 2017

Greve de dois dias terminou esta sexta-feira. Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações aponta para adesão de 70%.

Os trabalhadores dos CTT terminaram hoje uma greve de dois dias com uma adesão média de cerca de 70%, segundo o sindicato, que a empresa diz não ter causado transtornos no serviço prestado à população porque apenas encerrou uma loja.

O secretário-geral do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT), Vítor Narciso, disse à agência Lusa que a paralisação teve uma adesão média que rondou os 70%.

Nos serviços centrais e de apoio a adesão foi inferior, mas “no tratamento e distribuição de correspondência foi muito boa”, disse o sindicalista.

“Tivemos uma adesão muito boa, mas o principal objetivo da paralisação já foi conseguido pois o futuro do serviço prestado pelos correios tem sido discutido nos últimos dias e já fomos ouvidos na Assembleia da República”, salientou.

Vítor Narciso prevê que a greve de dois dias agrave o atraso já existente na distribuição de correio devido à falta de pessoal, mas sem que a população se aperceba.

“Já ninguém nota os efeitos de dois dias de greve pois o atraso na distribuição de correspondência é permanente, devido à degradação do serviço causada pela falta de pessoal”, disse o líder do SNTCT, filiado na CGTP.

De acordo com a empresa, a paralisação quase não afetou o funcionamento dos correios, porque registou apenas uma adesão de 17%, que levou apenas ao encerramento de duas das 608 lojas CTT na quinta-feira e de uma loja hoje.

A greve de dois dias, por melhores condições de trabalho e pela salvaguarda dos postos de trabalho e da qualidade do serviço prestado à população, foi também convocada pelo Sindicato Democrático dos Trabalhadores dos Correios, Telecomunicações, Media e Serviços (SINDETELCO), filiado na UGT.

Na terça-feira, os CTT, que empregam 12 mil trabalhadores, dos quais cerca de sete mil são da área operacional (rede de transportes, distribuição e carteiros), divulgaram um plano de reestruturação que prevê a redução de cerca de 800 postos de trabalho nas operações da empresa ao longo de três anos, devido à queda do tráfego do correio.

De acordo com o SNTCT, a Comissão Executiva dos CTT informou os representantes dos trabalhadores de que pretende reduzir o número de trabalhadores, entre 600 e 700, durante os próximos três anos, com especial incidência em 2019 e 2020.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores dos CTT terminam greve de dois dias com adesão de 70%, diz sindicato

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião