Nicolau Santos nomeado presidente do Conselho de Administração da Lusa

  • Lusa e ECO
  • 28 Dezembro 2017

Nicolau Santos, ex-diretor-adjunto do Expresso, foi nomeado pelo Governo para o cargo de presidente do Conselho de Administração da agência Lusa, substituindo Teresa Marques.

O Governo vai nomear o jornalista Nicolau Santos presidente do Conselho de administração da agência Lusa, substituindo Teresa Marques no cargo, disse o gabinete do Ministério da Cultura.

Segundo o Observador, o antigo diretor-adjunto do Expresso deverá suceder a Teresa Marques, com uma assembleia geral da Lusa convocada no final de fevereiro.

Nicolau Santos é diretor adjunto do Expresso mas anunciou que sairia no final do ano.Manuel de Almeida / Lusa

A mudança de administração foi anunciada aos trabalhadores da Lusa no passado dia 20 pela atual presidente, Teresa Marques, que fez saber que não está disponível para um novo mandato.

Os nomes de Jorge Wemens, atual provedor do Espetador da RTP, e de Gustavo Cardoso, docente e investigador do ISCTE estiveram em cima da mesa, referiu esta manhã o jornal Público, sublinhando também a preferência expressa pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda de que a Lusa deveria ser totalmente controlada pelo Estado.

Nicolau Santos anunciou há duas semanas a sua saída do lugar de diretor adjunto do semanário Expresso no final deste ano. “A decisão foi tomada pelo próprio e comunicada ontem à administração”, lia-se então no comunicado. O jornalista vai manter-se como cronista do jornal, no espaço de opinião no Caderno de Economia, no site e no Expresso Diário. Continuará, ainda, a ser comentador na SIC Notícias e moderador do programa “Expresso da Meia Noite”.

Nicolau Santos espera contribuir para tornar a Lusa “numa agência adaptada aos grandes desafios”

O futuro presidente do Conselho de Administração da Lusa, Nicolau Santos, espera “contribuir para tornar a Lusa numa agência noticiosa adaptada aos grandes desafios que se colocam aos media no século XXI”.

Num texto enviado à Lusa, Nicolau Santos adianta que “há poucos dias” recebeu um convite para ser presidente do Conselho de Administração da agência de notícias Lusa. “Ponderei muito se o deveria aceitar, até porque isso me impede de continuar a escrever para o jornal, fazer o Expresso da Meia Noite ou ser comentador na Antena 1″, afirma Nicolau Santos, referindo que conversou sobre o assunto com o presidente executivo da Impresa, Francisco Pedro Balsemão.

“E acabei por aceitar o desafio, esperando contribuir para tornar a Lusa uma agência noticiosa adaptada aos grandes desafios que se colocam aos media no século XXI”, prossegue. A 15 de dezembro, a Impresa tinha anunciado que Nicolau Santos, diretor-adjunto do Expresso, iria deixar o título no final do ano, mantendo-se como cronista do jornal e comentador na SIC Notícias.

“Ao fim de 19 anos, nove meses e 30 dias como jornalista do Expresso entendi que tinha chegado a altura de deixar os quadros do grupo Impresa e concluir alguns projetos que tenho em mãos. Ao comunicar a minha decisão, o grupo Impresa convidou-me para continuar a colaborar, mantendo a minha página de opinião no Expresso e escrevendo artigos para o Expresso Diário, além de continuar a co-apresentar o Expresso da Meia Noite, o que faço desde fevereiro de 2002, inicialmente com Ricardo Costa e, mais recentemente, também com Bernardo Ferrão”, refere o jornalista.

“Aceitei o convite com satisfação, porque tenho sido muito feliz nesta casa, quer pela elevadíssima qualidade dos profissionais com quem trabalho, quer por muitos serem também excelentes pessoas”, recorda. Contudo, após esta decisão, o jornalista foi convidado a presidir a administração da Lusa.

A assembleia-geral de acionistas da Lusa, no qual o Estado tem uma participação de 50,14%, seguido pelo Global Media Group (23,36%) e pela Impresa (22,35%), deverá ocorrer no final de fevereiro, na qual Nicolau Santos será nomeado.

Teresa Marques chegou à presidência da Lusa em 2015, terminando o mandato em 31 de dezembro deste ano. A atual presidente do Conselho de Administração manter-se-á em funções até à próxima assembleia-geral, onde além da nomeação do novo Conselho de Administração serão também aprovadas as contas de 2017.

(Atualizado às 17h57 com declarações de Nicolau Santos)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nicolau Santos nomeado presidente do Conselho de Administração da Lusa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião