Bónus fiscais crescem 32% para 2,4 mil milhões de euros em 2016

  • ECO
  • 3 Janeiro 2018

Benefícios fiscais concedidos pelo Ministério das Finanças a bancos, fundações, empresas, clubes desportivos e municípios cresceram 32%.

O Ministério das Finanças concedeu benefícios fiscais a empresas, autarquias e fundações no valor de 2,4 mil milhões de euros ao longo de 2016, avança o Correio da Manhã. Trata-se de um aumento de cerca de 32% face ao ano anterior, de acordo com dados divulgados pela Autoridade Tributária.

Os bónus fiscais abrangem dez impostos entre os quais o IRC, Impostos de Selo e impostos sobre imóveis: o IMT aplicado nas transações e o IMI pago anualmente. Este último imposto é, aliás, o que explica o aumento dos benefícios fiscais concedidos em 2016, que se cifraram numa subida de 700 mil euros.

Bancos, fundações, empresas, clubes desportivos e municípios estão entre os beneficiários deste alívio fiscal, tendo o Ministério das Finanças, liderado por Mário Centeno, alargado os benefícios a mais sete mil entidades, em 2016. Segundo a listagem divulgada pela Autoridade Tributária, citada pelo jornal diário, cerca de 300 entidades tiveram benefícios fiscais superiores a um milhão de euros.

O município de Lisboa, com benefícios da ordem dos 45 milhões de euros, o Grupo EDP com alívio de 38 milhões de euros e a TAP, com cerca de 22 milhões de euros, lideram a lista das entidades com o maior volume de benefícios fiscais atribuídos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bónus fiscais crescem 32% para 2,4 mil milhões de euros em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião