Carlos Moedas: alertas da Comissão a Portugal são “os avisos dos bons amigos”

  • Margarida Peixoto
  • 5 Janeiro 2018

O comissário Carlos Moedas desvalorizou os avisos da Comissão Europeia sobre o Orçamento do Estado português. Mas reconheceu que ainda "há riscos para a dívida pública".

Carlos Moedas, comissário para a Investigação, Ciência e Inovação, defende que Portugal “é bem visto” na Europa, mas lembra que o país ainda tem um nível de dívida muito elevado.05 Janeiro, 2018

“São os avisos dos bons amigos” — foi assim que o comissário Carlos Moedas interpretou a chamada de atenção do colega dos Assuntos Financeiros, Pierre Moscovici, sobre o Orçamento do Estado português. Ainda assim, o próprio Moedas sublinhou que o país ainda tem uma dívida pública muito elevada, que coloca riscos.

“Portugal tem de continuar no bom caminho da redução do défice”, disse Carlos Moedas, que falava na CSP Talks, uma conferência de imprensa sobre economia digital, organizada pela Confederação dos Serviços de Portugal, em parceria com o ECO. “Obviamente que Portugal é bem visto” pela Comissão, frisou, “não é um país que dê problemas à União Europeia”, argumentou.

E os alertas feitos pelo comissário para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, sobre os riscos de desvio significativo das regras comunitárias em matéria orçamental? “São os avisos que são feitos não só a Portugal. São os avisos dos bons amigos, os que fazemos em geral a vários países da Europa”, desvalorizou.

Ainda assim, o comissário notou que “Portugal passou por uma crise brutal” e que, apesar da redução do défice, “ainda há riscos quanto à dívida pública” que continua em níveis muito elevados.

Centeno no Eurogrupo? “Não me passava pela cabeça que fosse possível”

“Não me passava pela cabeça que fosse possível”, reconheceu Carlos Moedas, sobre a eleição de Mário Centeno para presidente do Eurogrupo. O comissário justificou a surpresa com o facto de Portugal ter cumprido um programa de ajustamento muito duro e de ter atravessado uma crise muito profunda.

“Ter um português à frente do Eurogrupo é uma excelente notícia para Portugal”, frisou. “É sempre bom para a imagem do país. Mas é um português que não vai estar a representar Portugal”, avisou.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Moedas: alertas da Comissão a Portugal são “os avisos dos bons amigos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião