Carlos Moedas: alertas da Comissão a Portugal são “os avisos dos bons amigos”

  • Margarida Peixoto
  • 5 Janeiro 2018

O comissário Carlos Moedas desvalorizou os avisos da Comissão Europeia sobre o Orçamento do Estado português. Mas reconheceu que ainda "há riscos para a dívida pública".

Carlos Moedas, comissário para a Investigação, Ciência e Inovação, defende que Portugal “é bem visto” na Europa, mas lembra que o país ainda tem um nível de dívida muito elevado.05 Janeiro, 2018

“São os avisos dos bons amigos” — foi assim que o comissário Carlos Moedas interpretou a chamada de atenção do colega dos Assuntos Financeiros, Pierre Moscovici, sobre o Orçamento do Estado português. Ainda assim, o próprio Moedas sublinhou que o país ainda tem uma dívida pública muito elevada, que coloca riscos.

“Portugal tem de continuar no bom caminho da redução do défice”, disse Carlos Moedas, que falava na CSP Talks, uma conferência de imprensa sobre economia digital, organizada pela Confederação dos Serviços de Portugal, em parceria com o ECO. “Obviamente que Portugal é bem visto” pela Comissão, frisou, “não é um país que dê problemas à União Europeia”, argumentou.

E os alertas feitos pelo comissário para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, sobre os riscos de desvio significativo das regras comunitárias em matéria orçamental? “São os avisos que são feitos não só a Portugal. São os avisos dos bons amigos, os que fazemos em geral a vários países da Europa”, desvalorizou.

Ainda assim, o comissário notou que “Portugal passou por uma crise brutal” e que, apesar da redução do défice, “ainda há riscos quanto à dívida pública” que continua em níveis muito elevados.

Centeno no Eurogrupo? “Não me passava pela cabeça que fosse possível”

“Não me passava pela cabeça que fosse possível”, reconheceu Carlos Moedas, sobre a eleição de Mário Centeno para presidente do Eurogrupo. O comissário justificou a surpresa com o facto de Portugal ter cumprido um programa de ajustamento muito duro e de ter atravessado uma crise muito profunda.

“Ter um português à frente do Eurogrupo é uma excelente notícia para Portugal”, frisou. “É sempre bom para a imagem do país. Mas é um português que não vai estar a representar Portugal”, avisou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Moedas: alertas da Comissão a Portugal são “os avisos dos bons amigos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião