Tráfego postal cai 7,1%, mas tráfego de encomendas sobe. Receitas sobem ligeiramente

As receitas dos serviços postais subiram ligeiramente. No entanto, o tráfego postal está em queda, sendo compensado pelo aumento das receitas provenientes das encomendas.

Há menos correio a circular em Portugal, mas mais encomendas. O tráfego postal caiu 7,1% no terceiro trimestre de 2017 em comparação homóloga. Contudo, o tráfego de encomendas está a compensar essa queda, segundo os dados divulgados pela Anacom esta sexta-feira, o que levou a uma subida ligeira das receitas dos serviços postais de 0,7% para os 152 milhões de euros.

“O tráfego de encomendas é responsável por 27% das receitas, contra 26,4% no período homólogo”, adianta a Anacom, referindo que, no terceiro trimestre de 2017, o tráfego de encomendas subiu 5,1% face ao segundo trimestre e 0,5% em termos homólogos. O tráfego de encomendas ultrapassou os 10 milhões, o que correspondeu a receitas superiores a 41 milhões de euros. A receita média por encomenda é de 4,15 euros.

“Do total de objetos distribuídos, 95,5% destinaram-se ao mercado nacional, enquanto os restantes 4,5% tiveram como destino outros países”, esclarece a Autoridade Nacional de Comunicações. A maior fatia do tráfego postal continua a dizer respeito a correspondências (79,2%), seguida de correio editorial (7,3%), publicidade endereçada (7,9%) e as encomendas (5,6%). O correio editorial corresponde ao envio de livros, jornais e outras publicações de cariz não publicitário.

Por outro lado, “o tráfego relativo ao serviço universal postal, que representa 84,1% do tráfego total, diminuiu 8,5% face ao período homólogo”. O grupo CTT — que tem um plano de reestruturação em marcha — continua a ter a maior fatia do mercado com 91,7% do tráfego postal total. Além disso, a Anacom refere que o número de trabalhadores diminuiu 0,5% face ao terceiro trimestre de 2016 — os CTT planeiam rescindir com mil trabalhadores até 2020.

“A receita média por objeto aumentou 8,4% face ao trimestre homólogo”, acrescenta a Anacom, indicando que “em média foram enviados 17,4 objetos postais por habitante no terceiro trimestre, menos 1,3 objetos per capita face ao terceiro trimestre de 2016″.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tráfego postal cai 7,1%, mas tráfego de encomendas sobe. Receitas sobem ligeiramente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião