SIVA vende… menos. Culpa é do rent-a-car

A SIVA, responsável pela comercialização em Portugal das marcas do Grupo VW, registou uma quebra nas vendas no último ano. Atribui a culpa ao menor peso que tem no negócio do rent-a-car.

As vendas de automóveis aumentaram no último ano, mas o ritmo de crescimento desacelerou face ao ano anterior. Enquanto o mercado cresceu mais de 7%, a SIVA vendeu… menos. A representante das marcas do Grupo VW em Portugal registou uma quebra de 4,3%, variação negativa explicada essencialmente pelo menor peso do rent-a-car na VW, Audi e Skoda.

Foram vendidos 222.134 automóveis no mercado nacional, no ano passado. Houve um aumento de 7,1% nas vendas, mas a SIVA entregou menos cerca de 1.400 automóveis. As vendas totais cifraram-se em 30.171 veículos, com a Volkswagen a representar mais de metade de todos os carros comercializados. Ainda assim, passou de 17.031 para 16.473 veículos.

A explicação para a quebra, que levou a VW a perder o segundo lugar no ranking das marcas mais vendidas, está no rent-a-car. “Não crescemos ao ritmo que ele [o segmento do rent-a-car] está a crescer”, diz Pedro de Almeida, administrador executivo da SIVA, lembrando que este negócio cresceu muito em Portugal. Cresceu 12,2%, bem acima da média, à boleia do turismo. A Skoda foi a que mais sofreu. Vendeu, em 2016, 900 automóveis para rent-a-car. Em 2017 vendeu 400.

Enquanto o rent-a-car representa já quase 25% do mercado, há outro segmento que está a florescer: o dos automóveis quilómetro zero. “Cerca de 15% do mercado são carros quilómetro zero. São carros matriculados pelas marcas e vendidos com descontos passados alguns meses”, refere o responsável da SIVA.

O mercado, que a SIVA prevê cresça menos em 2018 que no ano passado (para 230 mil veículos) “continua a crescer alavancado pelo rent-a-car”, sendo que a empresa prefere “ter um volume saudável, com qualidade”. “O rent-a-car tem margens curtas. E o quilómetro zero também é desinteressante. Em 2018 vamos continuar com essa estratégia, de desinvestir nos canais onde não interessa”, refere Pedro de Almeida.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SIVA vende… menos. Culpa é do rent-a-car

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião