Vieira da Silva não sentiu “pressão” de Costa para sair na sequência do caso Raríssimas

  • ECO
  • 5 Janeiro 2018

O ministro da Segurança Social não acredita que António Costa tenha sequer pensado num plano B para o substituir. E garante que não sentiu qualquer pressão nesse sentido.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social garante que não sentiu qualquer pressão de António Costa na sequência do caso Raríssimas.

À Antena 1, na sua primeira entrevista desde que vieram a público suspeitas de irregularidades na gestão financeira na associação, Vieira da Silva diz que não acredita que o primeiro-ministro tenha chegado a pensar num plano B para o substituir. Mas acrescenta que essa é uma responsabilidade de Costa.

“Não senti nenhuma pressão desse ponto de vista, mantive o meu relacionamento normal com o Primeiro-Ministro, assim como todo o Governo”, afirmou Vieira da Silva.

O governante já tinha anunciado, em dezembro, que solicitou uma “inspeção global”, com “caráter de urgência”, à Inspeção-Geral do Ministério. O ministro diz agora que aguarda os relatórios da Inspeção “nos próximos meses”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Vieira da Silva não sentiu “pressão” de Costa para sair na sequência do caso Raríssimas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião