Dieselgate. 90% resolvido até março. Resto é “blacklist”

A SIVA continua a reparar os modelos com motores a gasóleo que tinham um dispositivo que manipulava as emissões poluentes. Quase 80% dos casos está resolvido, mas não chegará aos 100%.

São mais de 100 mil os automóveis no mercado nacional equipados com motores Volkswagen que continham um dispositivo que manipulava as emissões de gases poluentes. Destes, a SIVA, responsável pela comercialização das marcas do grupo em Portugal, reparou já 79%, prevendo que possa chegar a 90% ou 91% do total até o final do primeiro trimestre. Os restantes ficarão numa “lista negra”.

A atualização de software, no âmbito do dieselgate, foi feita até ao final de 2017 em quase 79% de veículos Volkswagen, Audi, Skoda, referiu a empresa na apresentação dos resultados do último ano. A taxa de intervenção é, contudo, diferente entre as diferentes marcas: na Audi ascende a 83%, estando perto dos 80% na VW, mas em pouco mais de 50% nos Skoda, já que a solução chegou mais tarde a esta marca.

“Esperamos chegar aos 90% a 91% de solução até ao final deste primeiro trimestre”, referiu Pedro de Almeida, o homem-forte da SIVA, num encontro com jornalistas realizado em Lisboa esta sexta-feira. “Nunca vamos chegar aos 100% porque há uma blacklist (representa cerca de 7% do mercado)”, salientou o administrador executivo.

Esta blacklist, ou lista negra, são “pessoas que não respondem [aos contactos feitos pela marca], que foram vendidos a outro dono, ou exportados”, nota. Depois, há “pessoas que não querem” fazer esta atualização do software. “Mas quando forem à inspeção esse carro não passa. Chumba. Nós informamos o IMT das matrículas que não quiseram fazer esta atualização”, salienta. É que a “ação é obrigatória em Portugal”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dieselgate. 90% resolvido até março. Resto é “blacklist”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião