Inflação trava na Zona Euro na reta final de 2017

Mario Draghi não recebeu uma prenda no Natal. Pelo menos do lado da inflação. A variação dos preços da Zona Euro continua aquém do objetivo do Banco Central Europeu.

O próprio já tinha admitido que a inflação não iria chegar perto dos 2%, mas os números divulgados esta sexta-feira pelo Eurostat confirmam a previsão de Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu. Segundo o gabinete de estatísticas europeu, a inflação fixou-se nos 1,4% em dezembro de 2017, travando face à variação anual de 1,5% em novembro.

A estimativa rápida do Eurostat relativa a dezembro aponta para uma subida dos preços da energia menos expressiva do que em novembro: 3% face a 4,7%, respetivamente. A taxa de inflação de dezembro excluindo os produtos energéticos fixou-se nos 1,2%.

Os preços dos alimentos não processados desaceleraram face a novembro, sendo que as restantes componentes mantiveram-se praticamente inalteradas.

No mês passado, o Banco Central Europeu apresentou as projeções até 2020. A economia deverá crescer mais do que o esperado anteriormente, mas continuará a desacelerar. Já a inflação continuará abaixo dos 2%. Existe uma “maior confiança de que a inflação está a convergir para um caminho sustentado a médio prazo”, disse Draghi que, no entanto, admitiu que as pressões nos preços continuam “silenciadas” dado que não existem “sinais convincentes” de que há uma tendência ascendente “sustentada”.

Os dados definitivos da inflação anual serão divulgados a 17 de janeiro.

(Atualizado às 10h39)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inflação trava na Zona Euro na reta final de 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião