BCE mantém juros. Foco nas projeções da inflação

A taxa de juro de referência vai manter-se nos 0%, como era antecipado pelos economistas. A atenção dos investidores está centrada na conferência onde serão antecipadas projeções económicas até 2020.

Tudo na mesma. O Banco Central Europeu (BCE) manteve a taxa de juro de referência em 0%, como já era amplamente antecipado pelos economistas. As atenções dos investidores viram-se agora para a conferência em que Mario Draghi irá fazer uma revisão das projeções económicas que inclui as primeiras estimativas para 2020.

O resultado da última reunião de política monetária do ano correspondeu às expectativas dos analistas. Na verdade grande parte das decisões do BCE já foram tomadas na última reunião que decorreu em outubro. Então, foi decidido prolongar os estímulos monetários até setembro do próximo ano, mas com uma redução do ritmo de compras, dos 60 mil milhões mensais para 30 mil milhões.

O comunicado divulgado após a reunião de governadores dos bancos centrais não traz grandes novidades face aos anteriores, repetindo todas as orientações já dadas. Para além de reiterar esperar que os juros se “irão manter nos níveis atuais por um período de tempo extenso, e bastante além do horizonte das compras líquidas de ativos”, o BCE também diz que as compras mensais previstas durar até setembro, podem ultrapassar esse horizonte temporal “se necessário” até que “o Conselho de Governadores veja um ajustamento sustentado no caminho da inflação consistente com o seu objetivo”.

Ainda assim a última reunião do ano irá trazer novidades no campo das projeções económicas. Será na conferência de imprensa que decorre a partir das 13h30, hora de Lisboa, que Mario Draghi irá revelar as novas previsões para o crescimento da economia e dos preços na Zona Euro. É sobretudo para a inflação que o foco está virado, uma vez que este indicador é o mais relevante em termos da ação do BCE no campo da política monetária.

De acordo com os analistas, a atualização das projeções vai mostrar uma Zona Euro a crescer mais rapidamente ao mesmo tempo que a inflação se encaminha progressivamente rumo ao objetivo dos 2%. As projeções em setembro antecipavam que a inflação iria abrandar em 2018, para voltar a acelerar a partir do ano seguinte.

Na conferência de imprensa, Mario Draghi também poderá dar algumas pistas sobre o futuro da política de quantitative easing e dos juros na Europa. Isto depois de, nesta quarta-feira, a Reserva Federal dos EUA ter avançado com mais uma subida da sua taxa de referência, a terceira neste ano, tendo antecipado para 2018 três novas subidas do preço do dinheiro na maior economia do mundo.

(Notícia atualizada com citações do comunicado do BCE)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE mantém juros. Foco nas projeções da inflação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião