Raríssimas pode fechar: não consegue aceder às contas bancárias

  • ECO
  • 14 Dezembro 2017

Após demissão da presidente Paula Brito e Costa, os funcionários dizem não ter legitimidade para tomar decisões e aceder às contas da instituição, impossibilitado o normal funcionamento.

Após a reunião entre os trabalhadores esta manhã, chegou o anúncio: “Corremos o risco de fechar“. Sem presidente à frente da associação, a organização não conseguem garantir as verbas necessárias para manter o serviço. Por isso mesmo, apelam a que o Governo aponte um novo líder.

Corremos o risco de fechar porque não temos dinheiro por muito tempo para dar medicamentos”, justificou o porta-voz dos trabalhadores. Também o fornecimento de mantimentos é um problema, avançou a Renascença, com base nas declarações ouvidas à margem a reunião.

A agravar a situação está a suspensão de apoios. Algumas instituições financiadoras declararam que iriam cessar as contribuições até que a presidente, mas também o marido e o filho da responsável, abandonassem a instituição.

Os funcionários da associação apresentam a solução na forma de apelo a António Costa: pedem que este aponte “uma comissão de gestão ou uma direção provisória que possa fazer funcionar esta Casa“.

Comentários ({{ total }})

Raríssimas pode fechar: não consegue aceder às contas bancárias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião