Kalanick prepara venda de quase um terço da sua posição na Uber

O ex-CEO da Uber deverá arrecadar 1,4 mil milhões de dólares com venda de um terço da sua posição de 10% na empresa de serviços de transporte.

Durante muito tempo não se terá desfeito de nenhuma ação da Uber, mas agora parece ter mudado de ideias. Travis Kalanick, co-fundador e ex-CEO da Uber, parece querer desfazer-se de uma grande parte da sua participação na empresa de transportes. Kalanick estará a preparar a venda de quase um terço da sua participação na Uber, avança a Bloomberg, citando fontes próximas não identificadas.

Em causa estará a venda de uma parcela de 29% da sua posição de 10% no capital da empresa de serviços de transporte norte-americana, com a qual o antigo CEO da Uber que se viu obrigado a apresentar a demissão do cargo em junho do ano passado no seguimento de diversas polémicas deverá conseguir amealhar cerca de 1,4 mil milhões de dólares (1,16 mil milhões de euros).

Tudo indica que esta participação será comprada por um consórcio de investidores liderado pelo SoftBank, que no final de dezembro foi conhecido tinha adquirido uma posição de pelo menos 15% no capital da Uber.

As mesmas fontes terão confirmado à agência de notícias que Kalanick estaria disposto a desfazer-se de 50% da sua posição – o limite máximo possível — mas esse montante acabou por ser limitado a 29% da posição devido a limites impostos ao comprador.

Tudo indica que o acordo de venda com o SoftBank seja fechado este mês. Após encerrado esse processo deverão ser levadas a cabo reformas na empresa que permitam reduzir a influencia efetiva de Kalanick na Uber.

Caso se confirme a alienação dessa posição, Kalanick tornar-se-á, pela primeira vez, um bilionário efetivo, deixando de o ser apenas no papel, já que ao longo de uma década nunca terá vendido uma única ação da empresa da qual foi co-fundador.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Kalanick prepara venda de quase um terço da sua posição na Uber

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião