Exclusivo Administrador financeiro da Associação Mutualista votou contra aumento de capital no Montepio

  • Margarida Peixoto
  • 5 Janeiro 2018

Miguel Coelho, o administrador com o pelouro financeiro, votou contra o aumento de capital de 250 milhões de euros no Montepio. Mesmo assim, a operação avançou.

Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista, conseguiu a aprovação do aumento de capital da Caixa Económica Montepio Geral no valor de 250 milhões de euros, de acordo com o exigido pelo Banco de Portugal.Paula Nunes / ECO

Miguel Coelho, administrador financeiro da Associação Mutualista Montepio, votou contra a decisão, tomada em junho, de aumentar o capital da Caixa Económica em 250 milhões de euros, apurou o ECO. O administrador apresentou uma declaração de voto onde se mostrou preocupado com as contas da Mutualista e com o facto de o investimento implicar uma perda de rendimento para a associação.

A 30 de junho, o banco Montepio comunicou à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) um aumento de capital de 250 milhões de euros, integralmente realizado pela Associação Mutualista. O banco ficou com um capital de 2.020 milhões de euros e este foi o culminar de uma decisão, tomada nesse mesmo mês, pelo Conselho de Administração e pelo Conselho Geral da Associação. Uma decisão que, ao que apurou o ECO, não foi simples de tomar.

Na declaração de voto que apresentou, Miguel Coelho, o administrador da Associação com o pelouro financeiro, mostrou-se preocupado com as contas da Associação e notou que para concretizar o aumento de capital em causa, a Associação teria de retirar poupanças que estavam aplicadas em instrumentos financeiros dos quais obtinha alguma rendibilidade. Nesse sentido, investir no banco Montepio fragilizaria as contas da Associação, colocando-as na circunstância de se, um dia mais tarde, fosse necessário nova injeção de capital, poder não ter condições para o fazer.

O aumento de capital foi concretizado através da conversão de obrigações de curto prazo, que estavam investidas na Caixa Económica, em capital do banco. Mas isto quer dizer que a Associação Mutualista prescindiu de ser reembolsada daquele montante, passando a ser antes detentora de ações da instituição, no mesmo valor.

Miguel Coelho acabou assim por votar contra o aumento de capital. Já Fernando Ribeiro Mendes absteve-se. O presidente da Associação Mutualista, António Tomás Correia, e os restantes dois vogais — Virgílio Lima e Carlos Morais Beato — votaram a favor e aprovaram a injeção de capital.

Não obstante quaisquer posições individuais dos seus membros, na liberdade e independência que lhes assiste no exercício das suas funções, e discussões internas sobre os temas em agenda, as decisões são colegiais.

Associação Mutualista Montepio

Assessoria de imprensa

Do lado dos conselheiros, a maioria votou a favor da mobilização dos meios necessários. Houve conselheiros que interpretaram o voto contra do administrador financeiro como um sinal de risco para as contas da associação, mas compreenderam que não fazia sentido deixar o banco sem o reforço de capital exigido pelo Banco de Portugal — uma necessidade que tinha, na verdade, sido afastada pelo presidente do banco, José Félix Morgado, cerca de um mês antes.

Além disso, havia já conversações sobre a possibilidade de a Santa Casa da Misericórdia entrar no capital do banco. Mais: acreditava-se na hipótese de essa entrada de capital ser feita por contrapartida de uma redução da exposição da própria Associação Mutualista, e não para aumentar o capital total do banco — na prática, seria uma espécie de venda de parte do capital da Associação à Misericórdia, permitindo à Associação recuperar parte do investimento em causa.

Terá sido por isso que, embora constrangidos, muitos conselheiros votaram favoravelmente o aumento de capital no Montepio.

O ECO contactou diretamente Miguel Coelho, que se escusou a fazer quaisquer comentários e remeteu a resposta para a assessoria de imprensa da Associação Mutualista. Contactada, fonte oficial desvalorizou as divergências de opinião entre os membros do conselho de administração e do conselho geral.

“Não obstante quaisquer posições individuais dos seus membros, na liberdade e independência que lhes assiste no exercício das suas funções, e discussões internas sobre os temas em agenda, as decisões são colegiais”, defendeu. E frisou que, “no estrito cumprimento das disposições regulamentares que estiveram na origem do aumento de capital” de 30 de junho, o Conselho de Administração deliberou pela sua subscrição e o Conselho Geral deliberou pela mobilização dos recursos necessários para a concretização dessa subscrição.”

A CEMG obteve, no fecho de contas do terceiro trimestre de 2017, um rácio de Common Equity Tier I de 13,0% e um rácio de Total Capital de 13,2%, ambos em phasing-in, solidez que lhe permite ser atualmente uma das mais bem capitalizadas Instituições Financeiras a operar no mercado português.

Associação Mutualista Montepio

Assessoria de imprensa

A mesma fonte oficial recordou ainda que participaram na decisão o conselho de administração, composto por cinco administradores, e o conselho geral, “composto por 23 conselheiros“. E fez ainda questão de recordar que com o aumento de capital em causa, o banco conseguiu “no fecho de contas do terceiro trimestre de 2017, um rácio de Common Equity Tier I de 13% e um rácio de Total Capital de 13,2%, ambos em phasing-in, solidez que lhe permite ser atualmente uma das mais bem capitalizadas instituições financeiras a operar no mercado português.”

Confrontada especificamente com o voto contra de Miguel Coelho e a abstenção de Ribeiro Mendes, fonte oficial da Associação não quis acrescentar mais comentários e frisou apenas que a posição assumida pela assessoria de imprensa é corroborada pelo próprio administrador financeiro, Miguel Coelho.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Administrador financeiro da Associação Mutualista votou contra aumento de capital no Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião