Listada em Nova Iorque, Alibaba pondera cotar subsidiárias na bolsa de Hong Kong

A gigante de comércio eletrónico Alibaba está a ponderar cotar algumas das suas subsidiárias na bolsa de Hong Kong, devido a mudanças neste mercado. São desconhecidas as que serão abrangidas.

A chinesa de comércio eletrónico Alibaba está a ponderar cotar algumas das suas subsidiárias na bolsa de Hong Kong, mais de três anos depois de se ter listado na bolsa nova-iorquina para evitar legislações chinesas. A notícia foi avançada esta segunda-feira mas ainda não são conhecidas quais as subsidiárias que irão ser abrangidas.

A empresa chinesa estreou-se na bolsa em setembro de 2014 mas, contrariamente ao que seria normal, optou por Nova Iorque. E tudo para evitar legislações mais rigorosas oferecidas pela bolsa de Hong Kong. No entanto, está agora a pensar em cotar algumas das suas subsidiárias na bolsa chinesa, segundo anunciou Jack Ma, cofundador da empresa, durante um evento.

Vamos considerar cotar em Hong Kong algumas subsidiárias da Alibaba, mas não decidimos quais“, disse Jack Ma, em entrevista à Bloomberg. Segundo explica a agência de notícias, passar para o mercado de Hong Kong confere uma maior capacidade de resposta face aos restantes mercados financeiros, algo que já era pretendido pela China.

Um porta-voz da empresa disse não poder adiantar mais informações sobre a lista de subsidiárias que poderá fazer parte desta mudança. A praça chinesa Hong Kong Stock Exchange (HKSE) vai sofrer transformações, estando atualmente a ponderar autorizar a entrada de empresas com duas classes de ações, como é o caso da Alibaba, avança a Bloomberg.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Listada em Nova Iorque, Alibaba pondera cotar subsidiárias na bolsa de Hong Kong

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião