Bancos e fundos ficam com 75% dos 4.000 milhões de dívida do Estado

Portugal emitiu 4.000 milhões de euros esta manhã, mas a procura dos investidores foi bastante mais elevada, alcançando os 18,85 mil milhões de euros. Subidas de rating já surtem efeito.

Mais de 75% da emissão realizada esta quarta-feira pelo Tesouro português foi parar às mãos de fundos de investimento e de bancos. Já os hedge funds, que apostam nas dívidas vulneráveis, ficaram com apenas 5% do montante emitido, numa altura em que Portugal beneficia das novas avaliações atribuídas pela Fitch e pela S&P, que no ano passado retiraram a dívida portuguesa do nível de “lixo”.

A informação foi disponibilizada, esta tarde, pelo IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, que dá conta de que Portugal pagou uma taxa de juro de 2,137% pela emissão de 4.000 milhões de euros de dívida a 10 anos. A procura excedeu largamente a oferta, fixando-se em 18,85 mil milhões de euros.

A distribuição final da emissão de dívida desta manhã, por tipo de investidor e país de origem.IGCP

A justificar a procura elevada estão as subidas de rating do ano passado. “A operação seguiu-se aos recentes upgrades ao nível de investimento, tanto da Standard & Poor’s como da Fitch, setembro e dezembro de 2017, respetivamente, e é a prova da melhoria de posição de Portugal nos mercados do euro“, pode ler-se na nota emitida pelo IGCP.

“No espaço de uma hora, os investidores deram indicação de interesse que ultrapassou a oferta em 13 mil milhões de euros”, acrescenta o comunicado.

O IGCP aponta ainda que “a distribuição geográfica foi diversificada, com grande participação de investidores baseados no Reino Unido, Europa Central, América do Norte e Escandinávia”. Quanto ao tipo de investidor, “a maior procura veio dos bancos/bancos privados, gestores de fundos e fundos de pensões e seguradoras”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos e fundos ficam com 75% dos 4.000 milhões de dívida do Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião