Custo médio da dívida pública cai para 3%. É o mais baixo da década

O último trimestre do ano foi crucial para o custo da dívida pública portuguesa baixar de forma significativa. A subida de rating de S&P e a queda dos juros no mercado secundário ajudaram.

Portugal passou a pagar, em média, um juro de 3% pela sua dívida pública. Esta é a taxa mais baixa da década, pelo menos, segundo os dados publicados pela Agência de Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) esta sexta-feira. O custo da dívida portuguesa emitida em 2017 caiu para os 2,6%, face aos 2,8% em 2016, o que ajudou a reduzir os encargos totais.

Linha azul: custo da dívida emitida no ano assinalado. Linha vermelha: custo da dívida total.

Esta redução deve-se principalmente ao quarto trimestre, uma vez que até setembro o custo da dívida emitida era de 2,8%. Foi nos últimos três meses do ano que o custo diminuiu significativamente, o que permitiu reduzir o custo da dívida emitida, no total do ano, para os 2,6%.

A primeira notícia positiva para a dívida pública foi a melhoria do rating português para grau de investimento, em setembro, pela Standard & Poor’s, seguida pela revisão em alta da notação por parte da Fitch, já em dezembro. A atuação das agências internacionais, ao mesmo tempo que o BCE se manteve no mercado, levou à queda dos juros da dívida no mercado para mínimos de 2015. A taxa a dez anos baixou dos 2%. Portugal passou a ser menos arriscado que Itália.

Esta evolução aconteceu ao mesmo tempo que o Governo acelerou o processo de pagamentos antecipados ao Fundo Monetário Internacional em 2017. E num contexto de redução da divida em função do PIB, dois fatores que fizeram aumentar a confiança dos investidores nos títulos portugueses. A dívida bruta terá terminado o ano em 126,2% do PIB, de acordo com as projeções do Governo.

Na mesma apresentação para os investidores estrangeiros é possível concluir que o IGCP fechou o ano de 2017 com uma almofada financeira de 9,8 mil milhões de euros. Em relação ao montante “guardado” no final de 2016, existe uma diferença de 400 milhões de euros. Em 2018, o IGCP prevê terminar o ano com uma almofada financeira de oito mil milhões de euros.

(Notícia atualizada às 18h37)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Custo médio da dívida pública cai para 3%. É o mais baixo da década

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião