Eduardo Cabrita: “Não será num ano, nem daqui a dois anos” que se resolvem os incêndios

  • ECO
  • 13 Janeiro 2018

O ministro da Administração Interna admite que tem havido "laxismo coletivo" na prevenção de incêndios, mas acredita que hoje já há "uma consciência coletiva".

O combate aos efeitos das alterações climáticas, à desertificação do interior e ao desordenamento das florestas, principais causas dos incêndios que afetam Portugal, não vai ser conseguido no curto prazo. Nem no próximo verão, nem daqui a dois anos. Quem o diz é Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, que, em entrevista à Antena 1, admite que tem havido um “laxismo coletivo” no que toca à prevenção dos incêndios, mas que hoje já há “uma consciência coletiva”.

“Não podemos perder um dia [para] colocarmos no centro da nossa agenda política e da nossa agenda coletiva temas como o efetivo combate aos efeitos das alterações climáticas, à desertificação do interior ou ao desordenamento das florestas. Nenhum destes três temas, que são verdadeiramente estruturantes daquilo que sucedeu no passado ano, se resolverá, certamente, num tempo que é o tempo da política”, disse o ministro na entrevista. “Não será um ano, não será no próximo verão, não será daqui a dois anos, mas exigem-se medidas e uma ação permanente no centro da nossa preocupação”, reconheceu.

Não será um ano, não será no próximo verão, não será daqui a dois anos, mas exigem-se medidas e uma ação permanente no centro da nossa preocupação.

Eduardo Cabrita

Ministro da Administração Interna

Ainda assim, salienta que “ninguém compreenderá” que o Governo não faça, “até ao próximo verão, tudo o que for possível”, mesmo que não possa dar a certeza absoluta de que não haverá situações semelhantes aos incêndios de junho e outubro do ano passado. “Teremos incêndios, certamente. Teremos de fazer tudo para que todos tenhamos uma coordenação, uma resposta institucional que nos responsabiliza hoje”, salientou.

O ministro considera que “havia um laxismo coletivo, a começar pelos proprietários e pelas instituições”, no que toca à prevenção de incêndios, mas diz que “hoje está criada uma consciência coletiva de que não pode ser assim“. Para isso, acrescenta, também vieram ajudaram “mecanismos excecionalíssimos”, como a possibilidade de contratação para fazer limpeza de mato por ajuste direto e a dispensa de visto do Tribunal de Contas para isso mesmo.

Questionado sobre a evolução do diálogo com os partidos que sustentam a maioria parlamentar do Governo, Eduardo Cabrita aponta ainda que há mais “exigência” hoje, mas não só do Bloco de Esquerda e do PCP. “Há desafios que correspondem a níveis crescentemente mais elevados de satisfação das expectativas dos portugueses, e isso responsabiliza muito todas as forças que constituem a base parlamentar. Há mais exigência por parte de todos”, frisou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eduardo Cabrita: “Não será num ano, nem daqui a dois anos” que se resolvem os incêndios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião