Marcelo apela à deslocação aos territórios afetados pelos incêndios

  • Lusa
  • 25 Dezembro 2017

Marcelo Rebelo de Sousa pediu aos portugueses para se deslocarem aos territórios afetados pelo incêndio de Pedrógão Grande. Quer que contribuam para "a mudança em curso".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apelou aos portugueses para que se desloquem aos territórios afetados pelo incêndio de Pedrógão Grande durante o próximo ano, contribuindo para a sua reconstrução.

“Penso que o que é preciso, no futuro próximo, na próxima primavera, no próximo verão, é as pessoas virem, estarem cá. Contribuírem para esta mudança em curso, este reconstruir o futuro, é muito importante”, disse Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, à saída da missa de Natal em Pedrógão Grande.

É muito importante porque quem cá está, sente esse calor da presença. E é muito importante porque mexe com a vida, mexe com a economia, mexe com a sociedade. É aquilo que é preciso que aconteça sobretudo no próximo ano, porque engrenando no próximo ano, já engrenou”, frisou o chefe de Estado.

À saída da cerimónia, Marcelo destacou a presença na igreja matriz de Pedrógão Grande de pessoas de vários pontos do país no dia de hoje, manifestando-se impressionado: “Alguns dos que estavam aqui nesta igreja vieram de Vila Flor, uma família veio de Coimbra, uma família veio de Famalicão”, revelou, adiantando que essas se pessoas se deslocaram em solidariedade com as vítimas dos incêndios.

O Presidente da República recordou também a homilia do bispo de Coimbra, durante a missa em Pedrógão Grande, que chamou a atenção para um lado que “demora sempre algum tempo que é ultrapassar aquilo que existe”.

Aquilo que existe, explanou, é “uma saudade que começa por ser dolorosa, que depois passa a ser uma saudade triste”.

“Demora tempo”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, considerando que “é sempre mais fácil refazer as obras materiais do que refazer o espírito”.

Para o Presidente da República, hoje é um dia “com sentimentos contraditórios”, em que por um lado é “dia de alegria, por ser Natal”, mas por outro de “saudade por aqueles que partiram”.

Para o futuro, Marcelo pretende que aconteça aquilo “que já começou a acontecer” – as pessoas a arregaçarem as mangas e recomeçarem as suas vidas.

“Começaram a fazer, começaram a construir, a partir para um futuro diferente e é isso que está a acontecer”, realçou, sublinhando que, “felizmente”, as populações dos concelhos afetados contam também “com um grande apoio de toda a gente no país”.

No entanto, frisou, “não há dúvida de que os grandes obreiros são os homens e as mulheres desta terra”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo apela à deslocação aos territórios afetados pelos incêndios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião