PS vai insistir no texto da lei do financiamento dos partidos. Costa rejeita afronta a Marcelo

  • ECO
  • 13 Janeiro 2018

Apesar do veto de Marcelo Rebelo de Sousa, o PS vai insistir no texto do diploma do financiamento dos partidos. António Costa rejeita afronta a Marcelo que já vetou a lei.

Os socialistas mantêm todas as suas posições em relação ao diploma de financiamento dos partidos e campanhas eleitorais, garantiu Ana Catarina Mendes, e vão insistir no texto que o Presidente da República já vetou e devolveu ao Parlamento. António Costa rejeita afronta com Marcelo Rebelo de Sousa.

“O PS mantém todas as suas posições em relação à substância do diploma”, adiantou a secretária-geral adjunta no programa Parlamento, da RTP, citada pelo jornal Público (acesso condicionado). O partido “voltaria a propor todas as alterações [à lei em vigor] que propôs, e voltaria a acolher todas as aclarações que o Tribunal Constitucional propôs a esta Assembleia da República”, assegurou ainda.

À entrada para a reunião da Comissão Nacional do PS, e depois de interrogado sobre as razões que levam os socialistas a insistirem num diploma alvo de veto político por parte do Presidente da República, António Costa afastou qualquer afronta do PS a Marcelo. “Não se trata de afrontar o Presidente da República, que foi aliás muito explícito na sua mensagem, não pondo nenhuma reserva de fundo quanto à lei” e “dizendo simplesmente que deveria ter sido objeto de um debate mais alargado”, explicou o secretário-geral do PS.

Para ultrapassar o impasse em torno da questão do financiamento dos partidos, António Costa defendeu que deve haver um debate alargado sobre a questão do financiamento dos partidos, com “maior atenção de todos a esse mesmo debate”.

Não se trata de afrontar o Presidente da República, que foi aliás muito explícito na sua mensagem, não pondo nenhuma reserva de fundo quanto à lei e dizendo simplesmente que deveria ter sido objeto de um debate mais alargado.

António Costa

Secretário-geral do PS

“Acho que isso permitirá a vantagem de eliminar muitos dos fantasmas que acompanharam esta ou aquela disposição da lei. Esse debate permitirá perceber-se que [a nova lei] não terá qualquer interferência sobre processos de impugnação fiscal relativos ao IVA que estão em tribunal e que não aumenta o dinheiro público ou privado a favor dos partidos”, sustentou o secretário-geral do PS.

No programa da RTP, Ana Catarina Mendes criticou ainda o CDS e ainda a comunicação social. No primeiro caso, estranhou a atitude de “alguns partidos que empolaram essa situação”. Quanto ao trabalho dos jornalistas, eles deram “a entender que estivemos aqui a fazer uma coisa às escuras, às escondidas, longe de toda a gente. Não, não é verdade”, disse a dirigente socialista.

O programa Parlamento foi cancelado na semana passada por falta de representantes do PSD e PS. Mas a RTP avisou os partidos que o tema continuaria em cima da mesa. A edição desta semana vai para o ar este sábado, na RTP3, pelas 17h00.

(Notícia atualizada às 13h29 com declarações do secretário-geral do PS)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS vai insistir no texto da lei do financiamento dos partidos. Costa rejeita afronta a Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião