Nova SBE de Carcavelos à procura de mais investidores

Com abertura prevista para setembro deste ano, do investimento de 50 milhões faltam cobrir 14. Privados podem ter 'mão' no novo Campus da Nova SBE.

Pedro Santa-Clara, da Nova SBE.Paula Nunes/ECO

Quer colocar um tijolo na próxima Nova SBE, em Carcavelos? Pode. O apelo foi feito por Pedro Santa-Clara, responsável pelo projeto que se prepara para inaugurar o novo campus da Nova SBE [atualmente em Campolide, Lisboa].

O projeto, avaliado em 50 milhões de euros, tem coberto já parte do investimento: em ‘campanha’ de fundraising desde há cinco anos, a universidade internacional e considerada uma das melhores a nível mundial conta já com 35 parceiros privados que foram responsáveis pelo financiamento de 36 milhões. “Faltam 14 milhões para chegarmos ao objetivo”, explicou esta manhã, no campus em construção, Pedro Santa-Clara, durante a apresentação do plano de atividades de Cascais para 2018.

Queremos fazer deste projeto um daqueles casos de orgulho nacional.

Pedro Santa Clara

Nova SBE

“Este sonho que começou há cinco anos tem como ponto alto a mudança em setembro, de Campolide para aqui. Este espaço vai dar-nos a oportunidade de fazer muito mais“, acrescentou. “Hoje em dia é difícil encontrar a fronteira entre a Nova e Cascais”, diz ainda o responsável.

Depois de a Câmara de Cascais ter cedido o terreno em Carcavelos, a construção do Campus da nova Nova SBE fica a cargo de investidores privados que têm sido auscultados ao longo do tempo.

A instituição prepara-se agora para lançar uma nova campanha com “forte componente digital” de maneira a que, entre alunos e desconhecidos, se possa financiar a parcela que falta. “Queremos fazer deste projeto um daqueles casos de orgulho nacional”, explicou o responsável.

Singularity University a caminho

Uma das grandes novidades, em termos de eventos em Cascais, é a realização de um capítulo da Singularity University, um projeto internacional que está prestes a chegar a Portugal. A parceria, uma iniciativa da Nova SBE com a Beta-i e a autarquia local, inclui a organização dos primeiros programas assinados pelo projeto internacional, que se apresentam como um desafio para pensar problemáticas mundiais como a água, a energia ou a mobilidade urbana, “assuntos de dimensão global com os quais Cascais está comprometida”, explica Miguel Pinto Luz, vice-presidente da câmara.

O anúncio de que a Singularity University iria lançar os primeiros programas a nível nacional foi feito em meados de dezembro. Nesta primeira fase, em Portugal, a SingularityU vai lançar o Portugal Global Impact Challenge e o SingularityU Summit Cascais (8 e 9 de outubro).

As candidaturas a estes programas estão abertas até 6 de fevereiro e disponíveis, tanto para empreendedores como outros interessados em propor ideias que se foquem em desafios globais ligados a Organização, Educação e Ambiente. O vencedor desta primeira iniciativa terá como prémio “potenciar essa ideia num programa de dez semanas com a equipa da Singularity Ventures Incubator Program, no NASA Research Park, em Silicon Valley.

Com capítulos em todo o mundo, a Singularity University tem pela primeira vez um evento em Portugal, depois de já ter chegado a Espanha com edições em Sevilha, Bilbao, Madrid e Barcelona.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova SBE de Carcavelos à procura de mais investidores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião