Trabalhadores da Triumph entregam cinto de ligas ao Governo em protesto contra encerramento de fábrica

  • Lusa
  • 18 Janeiro 2018

“É uma situação que o Governo está a acompanhar não desde há uma semana a esta parte, mas já há bastante tempo”, disse o Executivo na conferência de imprensa do Conselho de Ministros.

Os trabalhadores da antiga fábrica da Triumph entregaram esta quinta-feira uma peça de lingerie na Presidência do Conselho de Ministros, em Lisboa, como protesto contra o encerramento da fábrica em Loures e apelaram ao Governo para intervir no processo.

Nós levámos um cinto de ligas para simbolizar a ida do senhor ministro da Economia, [Caldeira Cabral], no dia 07 de janeiro de 2017 à empresa, quando apadrinhou todo este processo, a passagem da Triumph para a TGI-Gramax”, disse à Lusa Mónica Antunes, dirigente do sindicato dos têxteis do Sul, durante a manifestação, que os trabalhadores realizaram em frente à Presidência do Conselho de Ministros.

E prosseguiu: “o senhor ministro da Economia disse [então] que era uma empresa de sucesso, que tinha tudo para dar certo, que a mão-de-obra era qualificada e que íamos ser uma empresa de sucesso”. Agora, na Presidência do Conselho de Ministros, segundo a dirigente sindical, a responsável que recebeu os trabalhadores da antiga Triumph ouviu todos os desabafos sobre a atual situação da empresa e assegurou que iria transmiti-los ao ministro da Economia, que se encontrava numa reunião.

Os trabalhadores da antiga fábrica da Triumph lamentam que a situação se tenha arrastado até aqui, pois dizem estar há 50 dias sem receber salários e mais o subsídio de Natal. Mónica Antunes disse à Lusa que não conhece ninguém interessado em ficar com a empresa. “Nós não vamos poder ficar presos àquele impasse. Resolvam o processo de insolvência e deixem as pessoas seguir a vida delas. Porque as pessoas querem trabalhar. Nós queremos trabalhar, não queremos nada daquilo que não é nosso. Queremos os nossos direitos e queremos trabalhar”, advertiu, lamentando a atual situação.

Estas pessoas não se vão aguentar por muito mais tempo sem receberem.

Mónica Antunes

Dirigente do sindicato dos têxteis do Sul

A delegação sindical que foi recebida na Presidência do Conselho de Ministros, em Lisboa, lamentou não ter sido recebida pelo ministro da Economia, Caldeira Cabral. Mas, Mónica Antunes espera ainda que o ministro “dê a cara, assuma as suas responsabilidades e ative os meios necessários para estas pessoas terem os meios de subsistência”. “Estas pessoas não se vão aguentar por muito mais tempo sem receberem”, alertou a dirigente sindical.

Os trabalhadores da antiga fábrica da Triumph vão manter o piquete de vigilância na empresa por um período indeterminado, pois dizem desconhecer “o tempo que isto vai demorar”, e prometem “não arredar pé das instalações”. O sindicato e os trabalhadores dizem que “não vão deixar cair a luta” e que têm ações previstas em vários pontos de Lisboa nos próximos tempos. Lembram ainda que a Triumph e o Governo “têm responsabilidade em tudo isto”.

Na conferência de imprensa do Conselho de Ministros desta quinta-feira, a ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, foi questionada sobre este protesto e a situação da fábrica da antiga Triumph, tendo começado por assegurar que “este tema não foi discutido” na reunião do executivo, mas que “é uma situação que o Governo está a acompanhar não desde há uma semana a esta parte, mas já há bastante tempo”.

Esta empresa foi sinalizada como uma empresa com problemas há algum tempo, inclusivamente para a procura de novos investidores e [o Governo] vai continuar a acompanhar, mesmo que a entrada de novos investidores não tenha resolvido o problema como se esperaria aqui há uns tempos que pudesse acontecer”, disse.

A fábrica da antiga Triumph (de roupa interior feminina), sediada na freguesia de Sacavém, concelho de Loures, foi adquirida no início de 2017 pela TGI-Gramax e emprega atualmente 463 trabalhadores. Desabafando, a dirigente sindical Mónica Antunes, terminou dizendo: “Ainda não perdi a esperança que ele [o ministro da Economia] me diga nos olhos aquilo que me disse a 07 de janeiro de 2017. Que tínhamos tudo para ter sucesso”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores da Triumph entregam cinto de ligas ao Governo em protesto contra encerramento de fábrica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião