Google junta-se à Tencent para conquistar a China

  • Ana Batalha Oliveira
  • 19 Janeiro 2018

Google e Tencent concordaram em fechar um acordo de patentes. Este não é o primeiro acordo do género que a gigante americana celebra, mas é o primeiro com uma tecnológica chinesa.

A Tencent é a porta que a Google precisava para entrar no mercado chinês, numa altura em que muitos dos seus produtos estão bloqueados no país oriental. As gigantes da tecnologia concordaram em fechar um acordo de patentes.

A app store, o motor de busca e o serviço de e-mail da Google: todos estes produtos se encontravam bloqueados na China pelos reguladores. Segundo a Google, o acordo com a Tencent abrange vários produtos, mas não especifica quais ou o montante envolvido na negociação.

“Ao trabalhar em conjunto em acordos como este, as empresas tecnológicas podem focar-se em criar melhores produtos e serviços”, comentou Mike Lee, o diretor de patentes da Google, que espera menos litígios sobre patentes na sequência deste tipo de parcerias. Este não é o primeiro acordo do género que a gigante americana celebra. Já tem alianças com a Samsung, LG Electronics e Cisco — mas nunca antes o tinha feito com uma tecnológica chinesa.

A Google tem vindo a investir cada vez mais neste mercado. Este mês, anunciou a aposta na aplicação de jogos Chushou, que oferece aos chineses serviços semelhantes aos do Youtube.

A Tencent é a detentora do WeChat, a rede social e ferramenta de pagamento preferida entre a população chinesa. Conta com quase mil milhões de utilizadores. Para além destes negócios, possui também a maior plataforma de jogos e livestream e uma das lojas de aplicações mais populares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google junta-se à Tencent para conquistar a China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião