Google junta-se à Tencent para conquistar a China

  • Ana Batalha Oliveira
  • 19 Janeiro 2018

Google e Tencent concordaram em fechar um acordo de patentes. Este não é o primeiro acordo do género que a gigante americana celebra, mas é o primeiro com uma tecnológica chinesa.

A Tencent é a porta que a Google precisava para entrar no mercado chinês, numa altura em que muitos dos seus produtos estão bloqueados no país oriental. As gigantes da tecnologia concordaram em fechar um acordo de patentes.

A app store, o motor de busca e o serviço de e-mail da Google: todos estes produtos se encontravam bloqueados na China pelos reguladores. Segundo a Google, o acordo com a Tencent abrange vários produtos, mas não especifica quais ou o montante envolvido na negociação.

“Ao trabalhar em conjunto em acordos como este, as empresas tecnológicas podem focar-se em criar melhores produtos e serviços”, comentou Mike Lee, o diretor de patentes da Google, que espera menos litígios sobre patentes na sequência deste tipo de parcerias. Este não é o primeiro acordo do género que a gigante americana celebra. Já tem alianças com a Samsung, LG Electronics e Cisco — mas nunca antes o tinha feito com uma tecnológica chinesa.

A Google tem vindo a investir cada vez mais neste mercado. Este mês, anunciou a aposta na aplicação de jogos Chushou, que oferece aos chineses serviços semelhantes aos do Youtube.

A Tencent é a detentora do WeChat, a rede social e ferramenta de pagamento preferida entre a população chinesa. Conta com quase mil milhões de utilizadores. Para além destes negócios, possui também a maior plataforma de jogos e livestream e uma das lojas de aplicações mais populares.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google junta-se à Tencent para conquistar a China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião