CNIS: Autoeuropa devia garantir, primeiro, que “um dos pais pode sempre ficar com a criança”

  • Margarida Peixoto
  • 24 Janeiro 2018

João Dias, presidente-adjunto da CNIS, sublinha que os horários alargados das creches devem ser uma solução "a evitar a todo o custo".

O padre Lino Maia é o presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS).Miguel A. Lopes / Lusa

No caso da Autoeuropa, “o que se devia fazer era a empresa garantir que um dos pais tem a possibilidade de ficar com a criança”, defende João Dias, presidente adjunto da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS). A hipótese de apoiar o alargamento do horário das creches só deve ser considerada como solução de último recurso, defende, em declarações ao ECO.

A possibilidade de apoio ao alargamento de horários das creches com acordos de cooperação com a Segurança Social surgiu na sequência do caso da Autoeuropa. Perante a dificuldade em chegar a um entendimento com a administração da empresa sobre os novos horários por turnos — e o trabalho aos sábados — a comissão de trabalhadores pediu a intervenção do Governo para tentar encontrar soluções. Os recursos humanos agendaram para esta quarta-feira uma reunião com os serviços técnicos do centro distrital de Setúbal da Segurança Social, para estudar o assunto.

[No caso da Autoeuropa], o que se devia fazer era a empresa garantir que um dos pais tem a possibilidade de ficar com a criança.

João Dias

Presidente adjunto da CNIS

Uma das hipóteses que está em estudo é a Segurança Social apoiar o alargamento dos horários das creches, para que estas possam dar resposta às necessidades das famílias. Esta terça-feira, fonte oficial do Ministério do Trabalho disse à lusa que já tinham sido identificadas vagas em IPSS que poderiam vir a responder às necessidades dos trabalhadores da Autoeuropa.

Segundo dados da Segurança Social referentes a dezembro de 2017, foram assegurados 111 novos complementos de horários de creche só em 2017 — no total há 953 creches apoiadas. Confrontado pelo ECO, e pela reduzida dimensão do número de apoios concedidos, João Dias, da CNIS, argumenta que este é daquele tipo de apoios que “quanto menos necessário, melhor”. “Devemos evitar a todo o custo que as crianças passem o dia todo na creche”, defende.

O mecanismo de apoio não é novo — “existe desde pelo menos 2009, há pelo país, fora, por exemplo em creches acopladas a hospitais”, assegura João Dias — mas é pouco usado pelas instituições. “Antes de alargar o horário, as IPSS tentam ajudar as famílias a encontrar uma relação de trabalho em que pelo menos um dos pais possa ficar com a criança”, garante, reforçando que os casos de apoio ao alargamento “devem ir à dimensão do inevitável”. É por isso que, no caso da Autoeuropa o responsável defende que a medida só deve ser aplicada “se não for possível garantir” que um dos pais pode ficar com a criança.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CNIS: Autoeuropa devia garantir, primeiro, que “um dos pais pode sempre ficar com a criança”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião