Lagarde quer tirar aos ricos para dar… aos jovens

  • Lusa
  • 24 Janeiro 2018

A diretora do FMI quer reduzir as desigualdades entre gerações na Europa e pretende criar impostos sobre a riqueza para financiar programas sociais de apoio aos mais jovens.

A diretora-geral do FMI, Christine Largarde, defende impostos sobre a riqueza para financiar programas sociais de apoio aos mais jovens que, depois da crise, constituem o grupo etário com maior risco de pobreza na União Europeia.

Num artigo divulgado esta quarta-feira no blogue do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde defende medidas políticas para reduzir a pobreza e a desigualdade entre gerações na Europa: reduzir as contribuições sociais e os impostos sobre os trabalhadores com baixos salários e proteger melhor os jovens de situações de desemprego (através de apoios sociais). A diretora-geral do FMI, que discursa esta quarta-feira no Fórum Económico Mundial, em Davos (na Suíça), refere que entre as medidas está também o aumento da progressividade dos sistemas fiscais e a criação de impostos sobre a riqueza (incluindo impostos sobre as heranças), que “podem financiar os necessários programas de apoio social para os cidadãos mais jovens”.

A posição de Christine Lagarde surge no mesmo dia em que o FMI divulga um estudo no qual conclui que a desigualdade aumentou entre gerações, refletindo maior pobreza e desemprego entre os jovens (entre os 16 e os 34 anos), com “consequências adversas” para o seu futuro. Antes da crise, os jovens e os idosos tinham praticamente o mesmo risco de pobreza relativa na União Europeia, mas segundo o Fundo, “a crise exacerbou” o elevado desemprego jovem que já existia, trazendo um aumento significativo de pobreza dos mais jovens. “Os rendimentos caíram para os mais jovens depois da crise de 2007 devido ao desemprego. Embora tenham recuperado, ainda não subiram. Para aqueles com 65 anos ou não, os rendimentos cresceram cerca de 10% uma vez que as pensões foram mais bem protegidas”, afirma Christine Lagarde.

A diretora do FMI recorda que o desemprego jovem na Europa atingiu um pico em 2013, nos 24%, e que hoje cerca de um quinto da população mais jovem continua à procura de emprego. “Depois de longos períodos de desemprego e com experiencia limitada é menos provável que os jovens encontrem emprego. Se encontrarem, provavelmente serão de rendimentos baixos“, descreve Lagarde. Por outro lado, destaca a diretora do FMI, hoje um em cada quatro jovens na Europa são pobres – vivem com rendimentos abaixo de 60% da mediana. Além disso, os jovens têm a maior dívida em relação a património que detêm (49%) entre os diferentes grupos etários, estando por isso “mais vulneráveis” a choques financeiros.

Como o acumular de ativos é gradual ao longo do ciclo de vida, as gerações mais jovens, que o FMI considera entre os 16 e os 34 anos, têm menos de 5% da riqueza líquida na Europa e a mediana da sua riqueza é apenas um décimo da mediana da riqueza das pessoas com 65 anos ou mais. Por outro lado, o Fundo considera que os sistemas de proteção social na União Europeia “estão mal equipados para mitigar o impacto da crise na população ativa, sobretudo nos mais jovens”. Para o FMI, os sistemas de proteção social europeus protegeram melhor os idosos do impacto da crise financeira mundial do que os jovens, que “não foram protegidos adequadamente do risco de desemprego e do impacto de empregos precários”.

É neste sentido que a diretora-geral do FMI defende que reverter a tendência de pobreza entre os jovens requer “políticas concertadas, orçamentais e do mercado de trabalho, incluindo proteção social e redistribuição orçamental”. E dá o “bom exemplo” de Portugal, que criou reduções temporárias do pagamento das contribuições sociais devidas pelas empresas para jovens à procura do primeiro emprego até cinco anos e de desempregados de longa duração até três anos. “Embora o desemprego jovem continue elevado, esta medida [tomada em julho passado] vai na direção certa“, afirmou Christine Lagarde.

A diretora-geral do FMI admite que “nada disto é fácil”, até porque as políticas devem ser desenhadas tendo em conta “as necessidades individuais” dos diferentes países da União Europeia e as “metas orçamentais”. Ainda assim, para Lagarde, com um crescimento mundial mais forte (recorde-se que, esta semana, o FMI melhorou a estimativa para 3,9%) e a recuperação na Europa, “há uma oportunidade de fazer as coisas difíceis de que de outra forma não serão feitas”. “Isto não é sobre um grupo contra o outro. Criar uma economia que funciona para os mais jovens cria uma fundação mais forte para todos. A população jovem com carreiras produtivas pode contribuir para redes de segurança social. E reduzir a desigualdade entre gerações anda de mão dada com a criação de crescimento sustentado e da reconstrução de confiança na sociedade“, termina a diretora-geral do FMI.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lagarde quer tirar aos ricos para dar… aos jovens

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião