ACO Shoes cresce à boleia da Europa de Leste

Exportações para a Europa de Leste impulsionam crescimento da empresa em 8%, para os 35 milhões de euros. ACO Shoes dá emprego a 400 pessoas.

A ACO Shoes, empresa de calçado de conforto, está em expansão acelerada para a Europa do Leste. A empresa, liderada pelo ex-presidente da Câmara de Vila Nova de Famalicão, Armindo Costa, diz mesmo que as exportações para aqueles países são responsáveis por um crescimento das receitas de 8%, em 2017. A ACO Shoes fechou o exercício do ano passado com um volume de negócios de 35 milhões de euros.

Armindo Costa, presidente do conselho de administração da empresa, revela em comunicado que, “cinco anos depois de termos entrado nos mercados do leste da Europa atingimos a consolidação, sendo de salientar as exportações para a Rússia e diversos países da antiga URSS”.

O ex-presidente da Câmara de Famalicão justifica a expansão para o Leste com a crise nos mercados internacionais. “Numa época que foi de crise nos mercados tradicionais, o investimento feito pela ACO nos mercados no leste da Europa foi uma aposta ganha. Conseguimos manter as exportações para os mercados tradicionais e conseguimos subir as nossas vendas na Europa de leste”, esclarece.

Fundado em 1975 pelo atual presidente, na freguesia de Mogege (Famalicão), a ACO Shoes emprega 400 pessoas, tendo duas unidades de apoio à produção suas participadas: a ECCO Conforto, situada em Ponte de Lima, e a ICCO, na Ilha de São Vicente, em Cabo Verde. As duas unidades são responsáveis por empregar 150 e 260 trabalhadores, respetivamente.

Especializada em calçado de conforto, a ACO produz 1,5 milhões de pares de sapatos, cerca de cinco mil pares por cada dia útil da semana. A empresa exporta para mais de 35 países, repartidos por cinco continentes.

Para 2018, a empresa está a apostar em produtos de alto valor acrescentado, através da criação de um calçado mais técnico, e que se insere numa estratégia virada para o mercado português.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ACO Shoes cresce à boleia da Europa de Leste

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião