Vistos gold caem, mas trazem mais imigrantes para Portugal. Esta e outras notícias nos jornais nacionais

  • ECO
  • 25 Janeiro 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O número de imigrantes que obtiveram vistos gold para Portugal está a diminuir, mas quem os obtém está a trazer mais familiares para o país. No Governo, as sagas “apagão das transferências para offshore” e “assalto de Tancos” continuam. Estas são algumas das notícias que marcam esta quinta-feira.

Há menos vistos gold, mas vêm mais imigrantes

O número de imigrantes que obtiveram um visto gold, a autorização de residência atribuída a quem investe em Portugal, diminuiu no ano passado. Ao todo, foram concedidos 1.351 destes vistos, abaixo dos 1.414 que tinham sido atribuídos em 2016. Ainda assim, quem consegue a autorização está a trazer mais pessoas consigo. Contando com os familiares destes investidores, entraram em Portugal, no ano passado, 2.678 imigrantes, no âmbito dos vistos gold, o que representa um aumento de 14%. Leia a notícia completa no Diário de Notícias.

Inquérito contra agentes da PSP acusados de agressões é arquivado

O inquérito que decorria contra um subcomissário e dois agentes da PSP da Brandoa, na Amadora, foi arquivado. O juiz de instrução criminal desconsiderou “todos os factos” da acusação do Ministério Público, que indiciou os agentes e o subcomissário por terem agredido violentamente um homem, em março de 2017. Para além da acusação por ofensa à integridade física qualificada, o subcomissário foi ainda acusado de falsificação de documento e de denúncia caluniosa, uma vez que o Ministério Público considerou que o oficial mentiu quando redigiu o auto de notícia. Contudo, o único facto que foi considerado provado foi que os arguidos, as vítimas e as testemunhas se encontravam no local e hora referidos na acusação. Leia a notícia completa no Diário de Notícias.

Caso de Tancos está fechado

O Exército concluiu, na semana passada, os processos disciplinares instaurados a quatro militares, no âmbito do caso de roubo de material militar de Tancos, e não vai revelar mais nenhuma informação sobre este assunto. O tenente-coronel Vicente Pereira explica que os processos disciplinares contêm “matéria pessoal dos militares”, pelo que “mais nenhuma informação será desclassificada”. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

PJ está a investigar “apagão” das transferências para offshore

Afinal, o caso do “apagão” das transferências para territórios offshore não está esquecido pelo Governo, garantiu o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, na quarta-feira. A Polícia Judiciária foi envolvida na investigação que está a ser liderada pelo Ministério Público e, enquanto decorrerem as investigações judiciais, o Fisco não vai avançar com autos para apurar eventuais responsabilidades dos serviços. Em causa estão transferências realizadas para paraísos fiscais, entre 2011 e 2014, no valor global de 10 mil milhões de euros, que não foram contabilizadas pela Autoridade Tributária e Aduaneira. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Estado falha no controlo da segurança e saúde no trabalho

Portugal falha nas medidas de controlo da segurança e saúde no trabalho, alerta o Conselho da Europa, num relatório em que conclui que a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) faz muito pouco. A entidade aponta ainda que há cada vez menos inspetores e que os trabalhadores abrangidos por ações de inspeção caíram a pique. Leia a notícia completa na TSF.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vistos gold caem, mas trazem mais imigrantes para Portugal. Esta e outras notícias nos jornais nacionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião