Responsabilidade do Fisco no “apagão” dos offshore ainda por apurar

  • ECO
  • 24 Janeiro 2018

Um ano depois de ter sido conhecido o erro no sistema de controlo das transferências para offshore, o silêncio mantém-se. O papel do fisco continua por apurar e o Governo recusa comentar a demora.

Um ano depois, as responsabilidades pelo “apagão” dos dados relativos à transferência de 10 mil milhões de euros para offshore continuam por apurar. O Governo pediu, há sete meses, esclarecimentos ao fisco, mas continua a não ser conhecido o que está a ser feito pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) para esclarecer o caso internamente e eventualmente responsabilizar os serviços. Os representantes dos funcionários da instituição — ouvidos pelo jornal Públicocondenam este silêncio e demora.

As primeiras conclusões da Inspeção-geral das Finanças (IGF) sobre o caso, identificado no final de 2016, chegaram em junho do ano passado. Nessa altura, apesar de a auditoria ter considerado “extremamente improvável” que o problema informático se devesse a uma “intervenção humana deliberada”, o Executivo pediu à AT que se debruçasse sobre uma série de questões ausentes da análise. Fernando Rocha Andrade, então secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, justificou essa exigência com a necessidade de “esclarecer aspetos relevantes para a descoberta da verdade”.

Neste sentido, o Fisco deveria entretanto ter avançado com novas perícias informáticas e até mesmo com a contratação de serviços externos para tentar recuperar dados em falta, mas sete meses depois o trabalho que está a ser feito permanece uma incógnita. Além disso, também o atual responsável pela pasta dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, tem escolhido manter o silêncio.

As falhas no sistema de controlo das transferência para offshore foram conhecidas em fevereiro do ano passado, quando o Fisco publicou estatísticas com valores muito superiores aos montantes divulgados anteriormente. Internamente, o erro já tinha sido identificado meses antes da divulgação pública do “apagão”. No relatório do IGF, fica esclarecido que as discrepâncias foram detetadas no final de outubro de 2016.

O “apagão” impediu temporariamente os inspetores tributários de acederem a alguma informação bancária relativa às transferências realizadas entre 2011 e 2014, num total de 10 mil milhões de euros. Oitenta por cento desse montante corresponde a fluxos de dinheiro enviados a partir de contas sediadas no BES, garante o mesmo jornal.

O Departamento Central de Investigação e Ação Penal começou a analisar os elementos recolhidos e, em agosto, foi mesmo aberto um inquérito no DIAP de Lisboa. Segundo a Procuradoria-Geral da República até agora não foram constituídos arguidos. Mantém-se por explicar alguns procedimentos relativos à origem e aos contornos das falhas, bem como à atuação do fisco a partir do momento em que o erro foi identificado.

Funcionários condenam demora

“A transparência que se exige da administração pública tem de resultar em informação aos cidadãos sobre a resolução destas situações”, sublinha o presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária. Nuno Barroso considera que “a informática é tratada por pessoas” e, portanto, se foi essa a origem da falha, “terá de haver responsáveis. O representante entende, por isso, que o Ministério das Finanças “já deveria ter dado informação” sobre os resultados do controlo dos 10 mil milhões de euros.

Já o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos lamenta a demora da AT. “Parece que se assobia para o lado à espera que toda a situação passe sem se incomodar absolutamente ninguém”, realça Paulo Ralha. O representante enfatiza que já passou tempo suficiente para que estes procedimentos sejam, por fim, concluídos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Responsabilidade do Fisco no “apagão” dos offshore ainda por apurar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião