Nuno Artur Silva e Cristina Tomé saem da administração da RTP

  • ECO
  • 25 Janeiro 2018

Nuno Artur Silva vai abandonar o seu lugar na administração da RTP dada a "irresolução do conflito de interesses". Cristina Tomé, a CFO, também está de saída. Gonçalo Reis é reconduzido.

Nuno Artur Silva vai sair o seu lugar na administração da RTP dada a “irresolução do conflito de interesses entre a sua posição na empresa e os seus interesses patrimoniais privados”, avança o Conselho Geral Independente (CGI) em comunicado. Já a saída de Cristina Tomé, a administradora financeira, não foi justificada. Gonçalo Reis poderá ser reconduzido até 2020.

A fonte de conflito era, de acordo com um comunicado da comissão de trabalhadores da RTP, o facto de Nuno Artur Silva ser também administrador e proprietário da empresa Produções Fictícias. Agora, Nuno Artur Silva sai, de acordo com o CGI, por não ter sido resolvido este conflito de interesses. Apesar disso, o conselho ressalva que não verificou “que isso tenha sido lesivo da empresa, no decurso do seu mandato”.

Este não era, contudo, o único visado no comunicado da comissão. Os representantes dos trabalhadores também referenciaram Daniel Deusdado, diretor de programação que, à data da nomeação, era dono da empresa Farol de Ideias. Outro dos visados é o ator Virgílio Castelo, consultor da RTP para a ficção, que dá pareceres sobre projetos em que participa como ator.

O Governo português já tinha sido questionado pelo PSD sobre alegados conflitos de interesse na televisão pública, com base nesse comunicado da Comissão de Trabalhadores da televisão estatal. O partido ainda liderado por Passos Coelho considerava que, caso as acusações da Comissão de Trabalhadores se revelassem verdadeiras, esta seria “uma violação ao princípio de isenção e de transparência” da administração de uma empresa pública.

Ao mesmo tempo que Nuno Artur Silva sai, também Cristina Tomé, a administradora financeira da RTP, vai abandonar o cargo na administração da empresa, segundo a própria estação de televisão. O Conselho Geral Independente (CGI) decidiu, ao mesmo tempo, avançar com a recondução de Gonçalo Reis na presidência.

Gonçalo Reis, que já ocupa o cargo desde 2015, foi convidado a apresentar um Projeto Estratégico para a RTP, para os próximos três anos. O mandato do atual presidente terminava em fevereiro, mas, desta forma, o CGI abre a porta a que seja reconduzido até 2020.

(Notícia atualizada às 18h28 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nuno Artur Silva e Cristina Tomé saem da administração da RTP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião