Comprimido de paracetamol a 10 euros. ADSE denuncia fraudes nos hospitais

  • ECO
  • 26 Janeiro 2018

Há casos em que são debitados medicamentos de marca à ADSE, quando, na realidade, foram administrados genéricos aos doentes. Um comprimido de paracetamol chegou a ser faturado a 10,7 euros.

Os casos de fraude na ADSE estão a aumentar, sobretudo no que diz respeito à sobrefaturação de medicamentos. A denúncia é feita por Carlos Liberato Baptista, em declarações ao Jornal Económico (acesso pago).

Estas novas comunicações de fraudes, decorrentes de uma auditoria recente, vão seguir para o Ministério Público, adiantou o responsável ao mesmo jornal.

Em causa estão, por exemplo, casos em que são debitados medicamentos de marca ao subsistema de saúde dos funcionários públicos, quando, na realidade, foram administrados genéricos aos doentes.

Segundo o Jornal Económico, chegaram a ser reportadas situações em que um comprimido de paracetamol foi faturado a 10,7 euros, um valor mais elevado do que aquele que é cobrado por uma caixa com dez unidades.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Comprimido de paracetamol a 10 euros. ADSE denuncia fraudes nos hospitais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião