Dinheiro fresco para casas. Dois anos depois, crédito cresce

Os bancos tinham em carteira 94.094 milhões de euros de crédito à habitação, em dezembro. É o primeiro aumento desde 2015 e mostra que a nova concessão foi superior ao crédito que venceu.

A banca está a apostar em força no crédito habitação. Essa realidade é de tal ordem que, em dezembro, o novo crédito concedido com esse fim mais do que superou os empréstimos que venceram naquele mês. É algo que já não acontecia desde 2015.

De acordo com dados divulgados pelo Banco Central Europeu, o stock de crédito para a compra de casa detido pelos bancos ascendia a 94.094 milhões de euros, em dezembro. Este valor supera em oito milhões de euros, o saldo total que se verificava no mês anterior. Representa a primeira subida mensal do stock de crédito à habitação desde setembro de 2015.

Stock de crédito sobe em dezembro

Fonte: BCE

Apesar de se tratar de um aumento relativamente baixo, tendo em conta o valor total do crédito existente em Portugal, surge em contraciclo com a tendência globalmente decrescente que se verifica desde a crise financeira. Nessa altura, os bancos fecharam a torneira do crédito, ditando um rumo descendente do respetivo stock. Atualmente o cenário é bastante distinto.

Os bancos estão sedentos para injetar liquidez no mercado, ao mesmo tempo que a recuperação da economia e a melhoria das perspetivas das famílias também está a levá-las a avançar com a decisão de procurar crédito comprar casa. Os últimos dados disponibilizados pelo Banco de Portugal, indicam que nos primeiros onze meses de 2017, os bancos disponibilizaram 7.441 milhões de euros em crédito à habitação. Este valor supera em mais de 1.600 milhões o montante total dos empréstimos disponibilizados em 2016 com esse fim. A concessão de crédito à habitação está assim em máximos da década.

Esse contexto suporta o aumento registado no stock de crédito em dezembro, com este a poder ser um primeiro sinal de uma nova tendência que se poderá instalar.

Saldo anual encolhe, mas menos

Os dados do BCE demonstram que no total do ano passado, o stock de crédito à habitação voltou a encolher face ao registado nos anos anteriores. No total, a redução foi de 1.283 milhões de euros. Ainda assim tratou-se da menor desde 2011, período em que se instalou a crise financeira.

Apesar de os alertas que têm surgido sobre um eventual facilitismo que os bancos estão a assumir na concessão de crédito, a expectativa é de que a procura de crédito por parte das famílias vai continuar a aumentar. O último inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito sinalizou isso mesmo, com quatro das cinco maiores instituições financeiras a anteciparem-no.

Esta perspetiva verifica-se num cenário em que a banca também está ao ataque na concessão de empréstimos para a compra de casa.

Comentários ({{ total }})

Dinheiro fresco para casas. Dois anos depois, crédito cresce

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião