Espanhóis da Merlin compram Almada Forum

As negociações para a Merlin Properties adquirir o Almada Forum estão avançadas, escreve a Bloomberg. Negócio envolve 450 milhões de euros.

Está agitado o mercado dos centros comerciais em Portugal. Depois de esta semana se ter ficado a saber que o Dolce Vita Tejo, o segundo maior centro comercial no país, foi vendido à AXA por 230 milhões de euros, agora é a venda do Almada Forum que está praticamente concluída.

A notícia é avançada pela Bloomberg que dá conta de que os espanhóis Merlin Properties estão em “negociações avançadas” para adquirirem à Blackstone Group o Almada Forum. O valor do negócio deverá rondar os 450 milhões de euros. A Merlin, contactada pela Bloomberg, não quis comentar.

O Almada Forum, com 230 lojas, fazia parte de um conjunto de quatro centros comerciais que o fundo norte-americano tinha colocado à venda e era o único para o qual não havia comprador.

Também já esta semana, a Autoridade da Concorrência tinha sido notificada da compra por parte do grupo Auchan, através do seu braço imobiliário Immochan, dos outros três centros comerciais que o fundo norte-americano tinha à venda, nomeadamente o Sintra Retail, o Forum Sintra e o Forum Montijo.

Mas as transações no setor imobiliário de retalho não se ficaram por aqui, uma vez que a Sonae Sierra já em 2018 alienou o MaiaShopping e o Guimarães Shopping, à Ocidental.

Recorde-se que, de acordo com os dados avançados pela consultora JLL, no início deste ano, o investimento em imobiliário comercial em Portugal cresceu 50% em 2017, em comparação com o ano anterior, para 1.900 milhões de euros. E a perspetiva é que a tendência “se mantenha em linha com 2017″, de acordo com Pedro Lancastre, director geral da JLL Portugal, visto continuar o “muito forte” interesse internacional, ao “mesmo tempo que os portugueses também estão mais ativos”, disse citado pela Lusa, a 3 de janeiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanhóis da Merlin compram Almada Forum

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião