Governo: Google não negociou contrapartidas para vir para Portugal

  • Lusa
  • 26 Janeiro 2018

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, afirmou que "a Google não negociou contrapartidas e não foi essa a questão chave" que levou a gigante tecnológica a mudar-se para terras lusas.

O ministro da Economia afirmou esta sexta-feira que a Google “não negociou contrapartidas” para a instalação de um centro de serviços (‘hub tecnológico’) em Oeiras, mas que a “questão-chave” foi o talento, a formação e os bons engenheiros no país.

Em 24 de janeiro, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou em Davos (Suíça) que a tecnológica norte-americana Google vai instalar a partir de junho, em Oeiras, um centro de serviços para a Europa, Médio Oriente e África, criando 500 empregos qualificados.

Questionado pelos jornalistas sobre que contrapartidas foram dadas à Google para vir para Portugal, o ministro da Economia disse que no caso da tecnológica “a questão-chave não foi as contrapartidas”.

A Google não negociou contrapartidas e não foi essa a questão chave, a questão chave foi trabalhar com esta empresa para lhe demonstrar que o melhor sítio onde esta empresa podia expandir as suas atividades era Portugal

Caldeira Cabral

Ministro da Economia

A Google não negociou contrapartidas e não foi essa a questão chave, a questão chave foi trabalhar com esta empresa para lhe demonstrar que o melhor sítio onde esta empresa podia expandir as suas atividades era Portugal“, prosseguiu Manuel Caldeira Cabral, à margem da assinatura de um protocolo de 250 milhões de euros do Banco Europeu de Investimento (BEI) com a Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), que decorreu no Ministério da Economia, em Lisboa.

Isto “porque Portugal tem talento, Portugal tem bons engenheiros, tem bons programadores, tem muita qualidade da formação ao nível de ‘software’ e, nesse sentido, tem muitas possibilidades de dar à Google aquilo que hoje é escasso em todo o mundo”, concluiu. Fonte oficial do executivo português disse que Portugal conseguiu este investimento da Google “no quadro de uma competição internacional muito forte”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Governo: Google não negociou contrapartidas para vir para Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião