Moedas digitais? “Está a ser preparada uma resposta”, diz o BCE

  • ECO
  • 26 Janeiro 2018

"Eu esperaria que a discussão dos G20, em Buenos Aires, no próximo março, se centrasse muito nestes assuntos", diz Benoit Coeuré, membro do BCE, em Davos.

As criptomoedas chegaram a Davos. No Fórum Económico Mundial, onde se juntam centenas de políticos de topo e líderes de organizações governamentais a milhares de empresários, Benoit Coeuré, membro do conselho de governadores do Banco Central Europeu (BCE), garantiu que as moedas digitais estão na agenda internacional e deverão ser discutidas no encontro dos G20, que terá lugar na Argentina, em março.

A comunidade internacional está a preparar uma resposta para este assunto [o das criptomoedas] e eu esperaria que a discussão dos G20, em Buenos Aires no próximo março, se centrasse muito nestes assuntos” afirmou Benoit Coeuré, citado pela Reuters.

Esta não foi a primeira referência às criptomoedas em Davos. Christine Lagarde, a responsável do Fundo Monetário Internacional (FMI), alertou para o problema de consumo de energia que as moedas virtuais impõem. “Apontamos para que, em 2018, se o sistema continuar assim, irá consumir tanta energia como a Argentina”, disse a líder do FMI.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, também se mostrou preocupada com a proliferação destas moedas e afirmou que há um risco grande de as mesmas serem usadas para fins criminosos, o que leva os Governos a terem de as vigiar de uma forma “muito séria”.

Recentemente, fora do encontro do Fórum Económico Mundial, Bruxelas declarou-se “vigilante” em relação às criptomoedas e solicitou aos Estados-membros que transpusessem as regras criadas em dezembro “o mais rapidamente possível”. O receio da Comissão Europeia é que as criptomoedas se tornem “o símbolo do comportamento ilegal”, disse o vice-presidente para o euro e o diálogo social, Valdis Dombrovskis, após o encontro dos ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moedas digitais? “Está a ser preparada uma resposta”, diz o BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião