Amadora à frente de Lisboa e Porto na subida do preço das casas

Há seis municípios no país onde o metro quadrado custa mais de 1.500 euros, segundo os dados do INE. O preço mediano das casas em Portugal já vai em 912 euros por metro quadrado.

A Amadora é a cidade com mais de 100 mil habitantes onde os preços da habitação mais aumentaram em todo o país, batendo Lisboa e Porto. No terceiro trimestre do ano passado, o metro quadrado ficou 16% mais caro neste município e já ultrapassa os mil euros. Os dados foram revelados, esta segunda-feira, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que dá conta de que o valor mediano dos preços dos alojamentos familiares vendidos em Portugal já vai em 912 euros, um aumento de quase 7% em relação a 2016.

Segundo as estatísticas de preços da habitação ao nível local, publicadas pelo INE, Lisboa mantém-se como o município mais caro do país. O preço mediano de venda de habitações na capital fixou-se em 2.315 euros por metro quadrado no terceiro trimestre de 2017, acima dos 2.231 que tinham sido registados no segundo trimestre e um aumento de 15,5% em relação a 2016. Os preços aumentaram em todas as freguesias de Lisboa, à exceção de Marvila, onde houve uma quebra homóloga de 5,5%, para 1.550 euros por metro quadrado, o valor mais baixo da cidade.

A freguesia de Santo António, onde se encontram zonas como o Marquês de Pombal e a Avenida da Liberdade, é a que regista um maior aumento: aqui, o valor mediano do metro quadrado disparou 46,1% no terceiro trimestre, para 3.425 euros. Já a freguesia mais cara é a Misericórdia (zona do Cais do Sodré e Chiado), onde o metro quadrado custa 3.440 euros.

Para além de Lisboa, há ainda mais cinco municípios onde o metro quadrado ultrapassa os 1.500 euros: Cascais (1.893 euros), Loulé (1.704 euros), Lagos (1.619 euros), Oeiras (1.572 euros) e Albufeira (1.524 euros).

no Porto, os preços de venda das casas aumentaram em 14,1%, para um valor mediano de 1.254 euros por metro quadrado. A união de freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde é a mais cara da cidade, com o preço do metro quadrado a custar 1.801 euros, um aumento homólogo de 8,5%. Já o maior aumento verificou-se na união das freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória, onde os preços dispararam 41%, para 1.445 euros. Campanhã mantém-se como a zona mais barata: 786 euros por metro quadrado.

Mas é na Amadora que os valores mais aumentam, ainda que os preços medianos deste município fiquem abaixo dos 1.500 euros por metro quadrado. “Face ao período homólogo, todas as cidades com mais de 100 mil habitantes registaram uma subida dos preços da habitação, tendo a Amadora registado o aumento mais expressivo (+16,4%) e a cidade do Funchal o menor crescimento relativo (+4,1%)”, pode ler-se no destaque do INE. O preço mediano das casas na Amadora está agora nos 1.006 euros por metro quadrado; no segundo trimestre, estava nos 966 euros.

Esta evolução confirma aquela que já vem sendo a tendência de aumento de preços da habitação na periferia de Lisboa. Tal como escreveu o ECO na semana passada, em algumas zonas da periferia da capital, os preços médios casas já se encostam ou ultrapassam mesmo os da cidade do Porto. É o caso de Odivelas, Loures e Amadora.

A nível nacional, o preço das casas também está a aumentar a ritmo acelerado. O valor mediano do metro quadrado fixou-se em 912 euros no terceiro trimestre de 2017, o que representa um aumento homólogo de 6,7% e uma subida de 1,8% em relação ao segundo trimestre de 2017. Nesse período, o preço mediano das casas era de 896 euros.

(Notícia atualizada às 12h00 com mais informação)

Comentários ({{ total }})

Amadora à frente de Lisboa e Porto na subida do preço das casas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião