Desemprego recuou para 8,1% em novembro. INE estima taxa abaixo de 8% em dezembro

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 30 Janeiro 2018

A taxa de desemprego voltou a recuar em novembro, para 8,1%, avança o INE. Para dezembro, os dados provisórios apontam para uma nova descida, para 7,8%.

A taxa de desemprego recuou em novembro, para 8,1%, depois de em outubro ter ficado em 8,4%. Para dezembro, o Instituto Nacional de Estatística (INE) estima nova descida, para 7,8%.

De acordo com os dados publicados esta terça-feira, a taxa de desemprego ajustada de sazonalidade recuou três décimas em novembro, fixando-se em 8,1%. Quer isto dizer que o valor foi revisto em baixa (menos 0,1 pontos percentuais) face à estimativa provisória que tinha sido divulgada no início do mês. Para encontrar outra taxa de 8,1% é preciso recuar a novembro de 2004.

Olhando já para dezembro, o INE estima nova descida. O ano deve fechar com uma taxa de desemprego de 7,8%, indicam os dados ainda provisórios e sujeitos a correções. Este é o valor mais baixo desde julho de 2004, altura em que o desemprego atingiu o mesmo nível.

Taxa de desemprego

Fonte: INE Nota: Dados ajustados de sazonalidade; valor de dezembro é provisório

Mais empregados, menos desempregados

O número de desempregados recuou 3,9% em novembro, para 417,2 mil. Em dezembro, deverá ter descido novamente, para 401,5 mil. Já o número de empregados cresceu 0,4% no penúltimo mês de 2017, para 4,75 milhões — e em dezembro, os dados provisórios apontam para outra subida.

Mesmo entre os jovens, os números são agora mais positivos. Depois da subida de uma décima em outubro, para 24,5%, a taxa de desemprego jovem caiu em novembro para 22,8%, o que corresponde a 86,1 mil pessoas. No último mês de 2017, terá descido mais uma vez, para 22,1%.

Reagindo aos dados divulgados pelo INE, o primeiro-ministro apontou para “mais um passo positivo”, mas sublinhou que os números “têm de baixar mais”.

“É mais um passo positivo e isso significa que temos que dar continuidade às boas políticas que temos seguido e que nos têm permitido ter bom crescimento económico, mais investimento, mais exportações e uma forte redução do desemprego”, disse António Costa, em declarações transmitidas pela RTP.

(notícia atualizada às 14:23 com declarações do Primeiro-Ministro)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego recuou para 8,1% em novembro. INE estima taxa abaixo de 8% em dezembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião