Operação Atlântico. Luís Filipe Vieira e Rui Rangel constituídos arguidos

  • Lusa e ECO
  • 30 Janeiro 2018

PJ fez buscas no Tribunal da Relação, SAD do Benfica e casa de Filipe Vieira, no âmbito da 'Operação Atlântico'. Líder do SLB e Rui Rangel já foram constituídos arguidos. Advogado do clube desmente.

Luís Filipe Vieira e Rui Rangel acabam de ser constituídos arguidos, no âmbito da ‘Operação Atlântico’, avança o jornal Público. Em declarações aos jornalistas no Campus de Justiça, citadas pela Lusa, o advogado do Benfica já desmentiu essa informação mas admitiu que o dirigente desportivo pode vir a ser acusado. Recorde-se que o juiz Rui Rangel foi candidato à liderança do SLB em 2012 e mantém uma relação de grande proximidade com o líder do clube.

“Em função da marcha do processo, pode vir a ser [arguido], embora as conexões entre o que lá está e ele [Vieira] sejam, de tal forma frágeis, que presumo que não será”, ressalvou João Correia. O advogado do Benfica esclareceu que, nas buscas realizadas na SAD, a PJ levou “documentação contabilística” relacionada com algumas personalidades ligadas ao SLB, mas não com a atividade concreta do clube.

Das buscas realizadas esta manhã pela Polícia Judiciária a vários locais da capital portuguesa — entre eles, o Tribunal da Relação, a SAD do Benfica e a casa do presidente deste clube — resultaram ainda cinco detenções. Segundo o Público, entre os detidos estão dois advogados, um oficial de justiça e a mãe de um dos três filhos de Rangel, bem como o filho de um dos advogados.

Em resposta à agência Lusa a propósito das buscas noticiadas por diversos órgãos de comunicação social, a Procuradoria-Geral da República confirmou, esta manhã, as buscas, dizendo que decorrem “no âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público junto do Supremo Tribunal de Justiça, com a coadjuvação de magistrados do DCIAP [Departamento Central de Investigação e Ação Penal]”.

Este processo teve origem numa certidão extraída da designada Operação ‘Rota do Atlântico’, acrescentou a PGR, adiantando que em causa estão suspeitas de crimes de “recebimento indevido de vantagem, ou, eventualmente, de corrupção, de branqueamento de capitais, tráfico de influência e de fraude fiscal”. Nesta investigação, o Ministério Público é coadjuvado pela Polícia Judiciária.

O inquérito ao juiz desembargador Rui Rangel foi aberto em 2016. Na altura, o Correio da Manhã noticiou que o juiz Rui Rangel era suspeito de receber indevidamente verbas do empresário do futebol José Veiga, arguido no processo ‘Rota do Atlântico’, relacionado com crimes de corrupção no comércio internacional, fraude fiscal e branqueamento de capitais e tráfico de influências.

No âmbito da operação Rota do Atlântico, desencadeada a 03 de fevereiro de 2016, foram constituídos vários arguidos, entre eles José Veiga, Paulo Santana Lopes, Manuel Damásio e a advogada Maria de Jesus Barbosa.

De acordo com a investigação do Ministério Público e da Polícia Judiciária, José Veiga e Paulo Santana Lopes terão, alegadamente, atribuído vantagens indevidas a titulares de cargos políticos do Congo Brazzaville para, em troca, obterem contratos de obras públicas e de construção civil para a holding americana da multinacional brasileira Asperbras.

(Notícia atualizada às 13h55 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Operação Atlântico. Luís Filipe Vieira e Rui Rangel constituídos arguidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião