Fixando internacionaliza para Espanha, México e Chile

Empresa portuguesa passa, em janeiro, a estar disponível em três novos mercados, o que amplia a população alvo em mais de 182 milhões de potenciais clientes.

A plataforma portuguesa Fixando prepara-se para entrar nos mercados de Espanha, México e Chile, anunciou a empresa em comunicado. A empresa dedica-se à contratação de serviços locais e, com a internacionalização nestes três mercados ainda durante o mês de janeiro, passa a integrar uma população-alvo de mais 182 milhões de pessoas.

A escolha dos três novos mercados internacionais teve a ver com esse número, que oferece à empresa portuguesa a possibilidade de escalar o negócio de forma rápida.

A entrada nos mercados de Espanha, Chile e México vem juntar-se a Portugal, Alemanha, Áustria e Suíça, onde a empresa estabeleceu operações ao longo de 2017.

Em Portugal, a Fixando já chegou a mais de 28.000 clientes e 4.000 profissionais utilizadores durante o primeiro ano de atividade. Na Alemanha, a Fixando conta já com 500 profissionais registados na plataforma e mais de 4.000 clientes ativos, de acordo com o mesmo comunicado.

“Com a criação da Fixando queremos simplificar a vida às pessoas que procuram realizar qualquer tipo de serviço e não conhecem nenhum profissional de confiança. No nosso site e através da app poderão encontrar o profissional certo, com base nas propostas recebidas e nos comentários e reviews de outros utilizadores”, explica Miguel Mascarenhas, fundador da Fixando.

“Por outro lado, queremos também ajudar PMEs e pequenos empresários a acelerarem os seus negócios, através de uma plataforma que lhes permite contactar com pessoas que pretendem especificamente o serviço que prestam. Ajudamos os profissionais no processo inicial de triagem, de forma a que apenas se tenham de se focar em clientes verdadeiramente interessados nos seus serviços”, conclui.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fixando internacionaliza para Espanha, México e Chile

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião