Bitcoin é um bicho de sete cabeças? Há um manual que a explica às crianças

Para quem não entende muito de moedas virtuais, este manual interativo pretende explicar tudo sobre a bitcoin de forma bastante simples... até as crianças vão perceber.

Até há algum tempo, pouco se ouvia falar em moedas virtuais. No entanto, o rápido impulso destas criptomoedas fizeram-nas correr pelas bocas do mundo, e enchem agora as páginas dos jornais. Mas, ainda assim, há quem não saiba o que são, o que implicam, os riscos e as vantagens associadas a estas moedas que permitem pagar de forma virtual. Fica aqui uma explicação, para miúdos, mas que os graúdos também podem espreitar.

A bitcoin é a moeda virtual mais conhecida do momento mas, nesse setor, há muitas mais. Ethereum, Ripple, Cardano, Litecoin, etc… há mais de 1.500 criptomoedas. Só falta é entendê-las. A aplicação Cash, da Square Asset Management, que funciona à base de pagamentos e trocas em bitcoin, é uma espécie de pequeno manual para iniciantes. Nele constam ilustrações, como se de um livro infantil se tratasse, e pequenas explicações sobre este mundo das moedas virtuais. E tudo numa linguagem simples de entender. No final do livro constam ainda indicações sobre o risco deste tipo de investimentos e o Business Insider (conteúdo em inglês) mostrou-o.

Bitcoin? O que é isso?

Aplicação Cash, da Square Asset Management

Recuemos até 2008, quando Satoshi Nakamoto se lembrou de criar uma nova moeda. Ou lembraram… sim, porque esse nome não é verdadeiro, até hoje não se sabe quem foi o criador, ou criadores, da bitcoin. Essa moeda — ou criptomoeda, como lhe chamam –, seria totalmente independente e diferente das normais, na medida em que nenhuma pessoa, entidade ou Governo a pudesse controlar. Foi então que surgiu a tão famosa moeda, deram-lhe o nome de bitcoin.

A bitcoin trouxe uma “maneira radicalmente nova de negociar por todo o mundo” e é especial porque, contrariamente às moedas normais, apenas há uma quantidade limitada espalhada por aí, “como uma espécie de pepita de ouro ou de bronze”, lê-se no manual. Mas como se “produz” bitcoin? Através de computadores extremamente complexos e usando bastantes fórmulas matemáticas, mais complicadas ainda. A este processo dá-se o nome de mineração — quando os computadores tentam decifrar determinadas fórmulas e equações.

Na base da bitcoin há uma tecnologia inovadora — batizada Blockchain — que permite controlar cada bitcoin transacionada e existente, confirmando, ao mesmo tempo, a quem pertence.

Agora, a parte interessante, como adquirir ou comprar bitcoins? Simples. Através de “transações especiais” que acontecem virtualmente. Desde a sua existência, e conforme vai adquirindo mais visibilidade, o preço da bitcoin tem vindo a subir bastante, no entanto, para quem pretende investir, há sempre a hipótese de investir pequenas quantias.

Relativamente ao custo, os autores do manual comparam com o preço dos combustíveis. Funciona à base de oscilações, num dia pode estar em alta, no dia seguinte pode estar mais barato. Depois da compra das bitcoins, estas “podem ser armazenadas no próprio computador, ou através de uma nuvem — online”. O importante é que, independentemente do sítio escolhido para guardar a moeda virtual, o seu valor vai ser sempre o mesmo, “bastante valioso”. Daí ser importante conservá-la e mantê-la segura.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bitcoin é um bicho de sete cabeças? Há um manual que a explica às crianças

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião