Moedas virtuais em queda. Bitcoin tem o pior mês de sempre

  • Juliana Nogueira Santos
  • 2 Fevereiro 2018

Não há nenhuma moeda virtual que escape às quedas nesta sexta-feira. A bitcoin já está nos 8 mil dólares, efetivando-se assim a pior semana da história deste ativo.

Não está a ser um início de ano fácil para as criptomoedas, e muito menos para os investidores nestes ativos. Após ter duplicado de valor em menos de um mês, a Bitcoin já perdeu 15% nas últimas 24 horas e perdeu já 44 mil milhões em valor de mercado num só mês. Mas não é só a moeda virtual mais popular que está a ser castigada.

Enquanto a Bitcoin segue a valer 8.191 dólares — sendo que já esteve perto dos 19 mil dólares em dezembro — a Ethereum acumula já perdas diárias de 22%, cotando nos 874 dólares. A Ripple já perdeu 32% nas últimas 24 horas, valendo apenas 74 cêntimos, e a Litecoin desvalorizou 21% no mesmo período, para 122 dólares.

Bitcoin cai para 8.000 dólares

Fonte: Reuters

Na lista principal de receios dos investidores estão o apertar do cinto por parte dos reguladores mundiais, que continuam a olhar para as criptomoedas como ativos de risco e até bolhas, bem como as mais recentes notícias que dão conta de uma investigação levada a cabo pelo regulador dos mercados norte-americanos a várias empresas envolvidas na negociação destes ativos.

“O sentimento em relação às moedas virtuais está a tornar-se amargo, com notícias negativas a chegarem da esquerda, direita e centro“, afirmou Fawad Razaqzada, analista da FOREX.com à Reuters. “A preocupação de que o Facebook está a banir os anúncios e que as maiores corretoras estão a encerrar portas tem estado a acalmar a euforia e algumas pessoas estão mesmo a pensar duas vezes antes de investir o seu dinheiro ganho com esforço em moedas digitais”.

Nas redes sociais todos estão a #HODL

No lar das criptomoedas, as reações são aos milhares. Os investidores têm utilizado as redes sociais para expressar o seu receio em relação a estes dias negros. No entanto há muitos que recusam a deitar a toalha ao chão, apregoando #HODL. Esta expressão utilizada no mundo das moedas digitais significa “hold on to your dear life” — em português algo como agarra-te à tua querida vida — tem sido usada como mote de vida nos momentos mais difíceis.

E enquanto há uns que se mantêm esperançosos, há outros que pensam já em desistir e serem derrotados pelos mercados. “Que o Deus das criptomoedas tenha misericórdia das nossas almas”, escreve um utilizador.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moedas virtuais em queda. Bitcoin tem o pior mês de sempre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião