Bitcoin afunda 60% em mês e meio. A bolha já rebentou?

O valor da moeda digital está em queda livre. Está a perder mais de 14% esta segunda-feira, até aos 7.400 dólares. Face ao máximo de meados de dezembro já perdeu em torno de 60%.

Em queda livre. É assim que está a cotação da bitcoin. A moeda virtual desvaloriza perto de 14%, para negociar em torno dos 7.400 dólares. Este deslize estende para 61% a perda acumulada pela bitcoin desde o máximo histórico registado há apenas mês e meio. A criptomoeda não resiste assim ao “apertar do cerco” dos reguladores, dos bancos e às reticências de alguns investidores de topo. Será este o rebentar da bolha?

À medida que o dia prossegue estendem-se as quedas da bitcoin que dá assim seguimento ao seu pior mês de sempre em janeiro. Com a regulação a apertar e vários olhos postos no fenómeno das moedas virtuais, a pressão vendedora que assola a bitcoin intensifica-se, sendo que esta segunda-feira segue a perder 13,65% para os 7.391 dólares. Já não se comprava moeda a um preço tão baixo desde 15 de novembro de 2017, segundo as cotações da Reuters. O máximo registado foi de 18.690 dólares a 18 de dezembro do ano passado. Face a este dia, a moeda digital já perdeu 61% do seu valor.

Bitcoin em queda

Fonte: Reuters

A quebra de valor da bitcoin acontece depois de na passada sexta-feira, o economista Nouriel Roubini, conhecido por ter previsto a crise financeira global de 2008, ter classificado o fenómeno das criptomoedas como “a mãe de todas as bolhas”, e que esta está “finalmente” a estoirar.

Já nesta segunda-feira, o banco central chinês afirmou que vai apertar a regulação relativamente à participação de investidores nacionais em operação de emissões iniciais de moeda (ICO) internacionais e de moeda virtual, considerando que o risco no setor ainda é elevado.

Também na sexta-feira, pelo menos três bancos anunciaram que já não vão permitir que os seus clientes comprem bitcoin usando cartões de crédito. JP Morgan, Bank of America e Citigroup estão entre este conjunto de instituições. Já nesta segunda-feira, foi a vez do Lloyds Bank tomar uma decisão idêntica.

A ordem de proibição entra em vigor esta segunda-feira e aplica-se a todos os clientes do Lloyds e entidades do grupo: Bank of Scotland, Halifax e MBNA, sendo que a medida não se aplica aos cartões de débito.

Bolha ou correção?

A grande questão que se impõe colocar é se este é o rebentar da bolha já antecipado por Roubini ou apenas uma correção? Para Tiago da Costa Cardoso, gestor da corretora XTB, será este último o caso. “Com regulamentação mais apertada, temos um mercado a reagir de forma negativa no curto prazo, mas no longo prazo poderemos estar a criar as bases para uma implementação mais alargada da tecnologia de Blockchain no longo prazo“, antecipa o responsável da XTB.

Tiago da Costa Cardoso acredita mesmo que este poderá ser um bom momento para investir na criptomoeda. “Neste momento, e com as quedas a poderem já estar demasiado extensivas, estamos em altura de iniciar pequenas posições compradores para o longo-prazo“, defende este especialista.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bitcoin afunda 60% em mês e meio. A bolha já rebentou?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião