Banco de Horta Osório prepara-se para despedir 1.000 funcionários

O banco liderado pelo português está a planear cortar 1.000 postos de trabalho em seis áreas, numa altura em que está prestes a apresentar o novo plano estratégico para a entidade financeira.

O Lloyds Bank prepara-se para despedir 1.000 funcionários de seis áreas de trabalho diferentes, uma vez que o CEO, António Horta Osório, se prepara para anunciar em breve um novo plano estratégico para o banco britânico, de acordo com a notícia avançada pela Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Os funcionários do Lloyds Bank foram avisados no passado mês de janeiro e a maior parte dos cortes serão feitos nas áreas de banca comercial, risco, banca comunitária, seguros e gestão de ativos, disse uma fonte do banco à Bloomberg. Para além disso, serão ainda acrescentadas 465 novas funções aos negócios.

“Nos departamentos onde for necessário que os funcionários deixem as empresas, vamos tentar que seja feito através de despedimento voluntário“, disse a porta-voz, acrescentando que “os despedimentos obrigatórios serão o último recurso“.

O novo plano estratégico do banco britânico para os próximos três anos será anunciado a 21 de fevereiro, altura em que os analistas esperam que Horta Osório anuncie mais cortes de custos e mais investimentos em tecnologia. “Quando se está a operar num ambiente onde não existe expectativa de crescimento das receitas e as imparidades já estão em mínimos históricos, o único indicador que realmente podem mexer para influenciar o crescimento dos lucros é o corte de custos com a força de trabalho a ser a mais afetada“, disse Gary Greenwood, analista da Shore Capital, em Liverpool.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Horta Osório prepara-se para despedir 1.000 funcionários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião