Mudanças no Lloyds. Número dois apontado como sucessor de Horta Osório

Lloyds está a mudar a sua estrutura antes de apresentar o novo plano estratégico para os próximos três anos. O número dois do banco está a ser visto como um candidato à sucessão de Horta Osório.

Português é apontado como próximo presidente do HSBC.Simon Dawson/Bloomberg

Está em curso uma grande reestruturação organizacional no britânico Lloyds Banking na sequência da saída de dois gestores de topo do banco, numa altura em que se prepara um novo plano estratégico de três anos. As mudanças agora anunciadas põem Juan Colombas como número dois do banco, sendo visto como um candidato à sucessão do presidente executivo, António Horta Osório.

O português apresentou uma nova estrutura de negócio e promoveu mudanças no staff senior que o acompanha no sentido de centrar atenções nos detalhes do próximo plano estratégico 2018-2020, que será revelado em fevereiro do próximo ano.

Dentro das mudanças promovidas o destaque vai para a nomeação do espanhol Juan Colombas, diretor de controlo de riscos, para o recém-criado cargo de diretor de operações, com responsabilidades de supervisão da transformação digital do banco em todas as divisões da instituição. De acordo com o jornal espanhol Expansión (acesso livre / conteúdo em espanhol), citando fontes do setor, com esta nomeação, Colombas perfila-se como número dois do banco britânico e um dos principais candidatos à sucessão de Horta Osório.

Horta Osório está há sete anos na liderança do Lloyds, tendo ajudado o banco a superar a grave crise que enfrentou nos últimos anos e que culminou com o fim da presença do Governo britânico no capital da instituição no mês passado. Mas há algum tempo que existem rumores de que a sua saída está para breve. Alguns analistas já apontaram o nome do português entre os principais candidatos à liderança do maior banco europeu, o HSBC.

A reestruturação organizacional acontece depois da saída de Andrew Bester, até há pouco tempo presidente da unidade comercial do banco, cinco anos após a sua entrada no Lloyds. O Financial Times citava (acesso pago / conteúdo em inglês) fontes do setor financeiro londrino que o indicavam como principal sucessor de Horta Osório. Além de Bester, também Simon Davies, que chegou ao grupo em 2015 para diretor de recursos humanos, estratégia e departamento legal, está saída.

Em fevereiro de 2018, o Lloyds apresenta o novo plano de estratégia para os próximos três anos que deverá focar-se na digitalização dos serviços financeiros e na automação de processos internos, à medida que cada vez mais clientes adaptam os seus hábitos de consumo aos dispositivos móveis e num ambiente de baixas taxas de juro que continua a dificultar o negócio dos bancos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mudanças no Lloyds. Número dois apontado como sucessor de Horta Osório

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião