Lloyds Bank de Horta Osório volta a ser 100% privado

O anúncio da saída do Tesouro britânico do capital do maior banco privado do Reino Unido deverá acontecer na próxima quarta-feira, segundo fontes da banca citadas pelo Financial Times.

O Lloyds Bank está prestes a regressar na totalidade para mãos de privados. O Tesouro britânico deverá anunciar nesta quarta-feira a retirada total da sua presença no capital do maior banco britânico. A informação está a ser divulgada pelo Financial Times e pela Sky News, com base em fontes da banca próximas do processo.

Esta informação surge depois de na semana passada, Horta Osório, CEO do Lloyds, ter afirmado que a instituição estava “a poucos dias” de passar totalmente para mãos privadas, no seguimento da redução de participação do Tesouro britânico. De acordo com o banqueiro português, o Tesouro britânico iria mesmo conseguir recuperar em excesso cerca de 500 milhões de libras (592 milhões de euros), face ao total da injeção pública.

Já em abril, Phillip Hammond, ministro das Finanças do Reino Unido, tinha afirmado que o Tesouro tinha conseguido recuperar as 20,3 mil milhões de libras injetadas na instituição, em 2009.

No seguimento desse resgate, os contribuintes britânicos chegaram a ter uma participação de 43% no maior banco privado do país. Atualmente, a posição pública no Lloyds estava na ordem dos 0,25% do capital, segundo avançou recentemente Norman Blackwell, chairman do banco, aos acionistas.

O Lloyds foi alvo de intervenção pública em outubro de 2008, tendo Horta Osório chegado à instituição em 2011. O Tesouro britânico começou a vender em 2013 gradualmente a sua participação no Banco.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lloyds Bank de Horta Osório volta a ser 100% privado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião