António Simões e Horta-Osório na corrida pela liderança do HSBC

António Simões (HSBC) e António Horta-Osório (Lloyds) estão entre os candidatos para liderar o maior banco europeu, o HSBC.

O grupo bancário britânico HSBC vai ter um novo presidente executivo no próximo ano e, de acordo com a Reuters, há dois portugueses bem destacados na lista para suceder a Stuart Gulliver na liderança do banco. São eles António Horta-Osório (Lloyds) e António Simões (HSBC Europa). Mas há mais nomes.

O HSBC está em reformulação. Anunciou a escolha de Mark Tucker para substituir Douglas Flint enquanto presidente do conselho de administração do grupo a partir de outubro deste ano. Tratou-se de uma decisão que foi contra a tradição no seio da instituição, dado que Tucker foi uma escolha externa.

António Simões está no HSBC desde 2007.

E o mesmo poderá acontecer com o presidente executivo. Identificar o próximo CEO do banco será uma das primeiras tarefas de Tucker. E, não havendo propriamente uma linha de sucessão dentro do banco, são muitos os candidatos dentro e fora do grupo que se apresentam com um perfil sólido para liderar o maior banco europeu no próximo ano.

António Simões, chefe da divisão europeia do HSBC, é um dos nomes fortes apontados pela Reuters. John Flint, diretor da gestão de fortunas, e Matthew Westerman, responsável pela banca de investimento, também surgem na pole position entre os candidatos dentro do banco.

Já entre as possibilidades externas, o nome de António Horta-Osório é frequentemente citado pelos investidores como tendo um perfil adequado para liderar o HSBC, depois da recuperação que empreendeu nos últimos anos à frente do intervencionado Lloyds. Algo que Sam Laidlaw não descarta.

“Temos vindo a desenvolver alguns candidatos internos fortes, mas devemos sempre esperar que um grupo deste tamanho olhe também externamente”, assumiu Sam Laidlaw, membro independente do board e responsável pelo comité de remunerações do HSBC.

O lucro do HSBC caiu 62% em 2016, ficando bem longe daquilo que o mercado esperava. O banco apresenta dificuldades de rentabilidade sobre o seu capital, tendo registado um ROE abaixo de 1% no ano passado, abaixo do objetivo de 10%.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

António Simões e Horta-Osório na corrida pela liderança do HSBC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião