BP multiplica lucros por 20 em 2017

  • Lusa e ECO
  • 6 Fevereiro 2018

A BP revelou também que 2017 foi “um dos melhores anos” para a petrolífera. A companhia beneficiou do aumento dos preços do petróleo.

A BP multiplicou por 20 o lucro no ano passado, para 3.468 milhões de dólares (2.801 milhões de euros), contra 172 milhões de dólares (138 milhões de euros) verificados em 2016, indicou esta terça-feira a petrolífera.

A faturação global da BP atingiu os 244.582 milhões de dólares (197.377 milhões de euros), mais 31% que no mesmo período do ano anterior, referiu a empresa em comunicado enviado à bolsa de Londres, sendo que a produção aumentou para 2,47 milhões de barris diários em 2017, mais 12% que em 2016.

A BP revelou também que 2017 foi “um dos melhores anos” para a petrolífera. A companhia beneficiou do aumento dos preços do petróleo, que nas últimas semanas chegou a cotar-se nos 70 dólares por barril pela primeira vez em três anos.

A dívida da BP em 31 de dezembro situou-se nos 37.800 milhões de dólares (30.504 milhões de euros), mais 6,4%, enquanto o rácio da dívida líquida no final do ano passado era de 27,4%, contra 26,8% no mesmo período de 2016.

Estes resultados chegam oito anos depois da tragédia de Deepwater Horizon, o maior derrame de petróleo na história dos EUA, que custou à petrolífera uma coima de 65 mil milhões de dólares. Esta tragédia afetou muitos outros negócios, desde a pesca ao turismo que se concentravam na zona afetada, o Golfo do México.

Apesar de os títulos da BP terem atingido máximos de oito anos no mês passado, a empresa continua atrás do principal rival, a Shell. “Com a BP, os investidores tendem a ser um pouco céticos em relação ao que a empresa promete“, disse um analista ao Wall Street Journal. Isto, depois de a BP ter anunciado, no mês passado, o pagamento de 1,7 mil milhões extra para cobrir os custos do desastre no Golfo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BP multiplica lucros por 20 em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião