Petróleo recua 1%. Prepara-se para maior queda semanal em três meses

A cotações do petróleo volta a estar sob pressão, com a recuperação da produção dos EUA a superar as quedas nos inventários de crude.

Depois dos máximos de 2014 registados no arranque da semana, seguiram-se as quedas. A cotações do petróleo recuam em torno de 1% nos mercados internacionais, com a matéria-prima a preparar-se para ter o pior registo semanal desde outubro.

O barril de Brent desvaloriza 0,97%, para os 68,64 dólares nos mercado londrino, enquanto o crude segue a recuar também 0,97%, mas para os 63,33 dólares, em Nova Iorque, depois de ter alcançado os 64,89 dólares por barril, um máximo desde dezembro de 2014, na terça-feira. O Brent acumula uma queda de 1,75% na semana, a maior em três meses.

Petróleo desde o início do ano

Fonte: Reuters

O rumo das cotações do “ouro negro” está a ser condicionado pela recuperação da produção norte-americana após uma queda recente, bem como pela diminuição esperada na procura quando o inverno terminar no hemisfério norte, justificam traders deste mercado.

De acordo com dados governamentais, a produção de crude nos EUA mantinha-se firme nas 9,75 milhões de barris por dia no passado dia 12 de janeiro. Isto depois de a produção de petróleo ter caído para 9,49 milhões de barris diários no arranque do ano, devido ao frio que encerrou alguma da produção. De acordo com a Reuters, muitos analistas esperam que a produção dos EUA quebre a barreira dos dez milhões de barris diários em breve.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Petróleo recua 1%. Prepara-se para maior queda semanal em três meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião