Unidos contra poluição do Tejo, partidos pedem mais fiscalização

  • ECO
  • 6 Fevereiro 2018

Unidos contra a poluição do Tejo, partidos querem revisão de licenças ambientais das empresas que operam no rio e aumentar a sua fiscalização.

Os partidos estão em sintonia no que toca à poluição do Tejo: querem a revisão das licenças ambientais das empresas que operam no rio e exigem um reforço da fiscalização. Depois de António Costa ter garantido, a semana passada, que a redução das emissões de descarga vai mesmo avançar, estes grupos políticos com representação parlamentar juntam-se à luta, avança o Público.

Neste mesmo sentido, o Ministério do Ambiente anunciou, na segunda-feira, que a limitação imposta à Celtejo (isto e, a redução de 50% do volume diário de descargas efluentes no Tejo) vai ser prolongada por mais 30 dias.

Funcionários da empresa Ambipombal com a ajuda de seis camiões fazem a sucção da espuma que cobre a água do Rio Tejo junto ao açude de Abrantes. Paulo Cunha/LUSAPaulo Cunha / LUSA

No entender do partido socialista, há três pontos fundamentais que precisam de ser endereçados: a “remoção da matéria orgânica acumulada no fundo das albufeiras, depositada sob a forma de sedimentos”, a “revisão das licenças ambientais das empresas que operam no rio Tejo, seguindo os princípios ‘adaptar’ e ‘mitigar’, em face da nova realidade deste recurso hídrico” e a limitação do “volume de efluentes rejeitados pela empresa Celtejo, enquanto não estiver concluído o plano de investimentos previsto pela empresa”.

Já o Bloco de Esquerda faz questão de realçar que “o problema da poluição do rio Tejo tem responsáveis identificados e uma história de propostas apresentadas num passado recente”. Por outro lado, o deputado Pedro Soares destaca, positivamente, a decisão do Governo no sentido do encerramento da empresa Fabrióleo e da imposição de limites à produção da Celtejo.

Para os comunistas, o foco tem de estar na fiscalização. A parlamentar Paula Santos defende, deste modo, que “no imediato é necessário o reforço das ações de fiscalização pelas autoridades competentes para garantir o cumprimento da legislação em vigor em matéria ambiental”. O PCP enfatiza, no entanto, que não será necessário aumentar os meios humanos e técnicos para concretizar essa mudança.

Direita quer tribunal especializado

Até à direita, as opiniões convergem neste mesmo sentido. O PSD demarca como prioridade o cumprimento das licenças de descarga e realça a necessidade de “ajustar e flexibilizar essas licenças às oscilações de caudais”. Os social-democratas pedem ainda a instalação de “sistemas de monitorização permanente, quer nos rios quer no interior das fábricas”, de modo a “garantir a sua consulta independente e autónoma, sem intervenção da empresa em causa”. Neste ponto, divergem, contudo, dos comunistas, exigindo mais recursos humanos e técnicos, bem como a criação de um “tribunal especializado em ambiente e recursos naturais que tenha recursos especializados, quer no apoio, quer assessoria dos magistrados nestes assuntos”.

Fiscalização é também eleita como palavra de ordem pelo CDS, que acrescenta: “[é] inquestionável a necessidade de revisão das licenças de descarga emitidas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Unidos contra poluição do Tejo, partidos pedem mais fiscalização

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião