Galamba, Agualusa e mais 200 figuras da cultura e media questionam saída de Nuno Artur Silva da RTP

  • Lusa
  • 7 Fevereiro 2018

O documento que questiona a saída do ex-administrador da RTP é assinado por mais de 200 pessoas, incluindo o deputado João Galamba, o escritor José Eduardo Agualusa e o cantor Salvador Sobral.

Mais de duzentas pessoas ligadas à cultura e aos ‘media’ portugueses, entre atores, músicos, programadores, jornalistas, críticos e encenadores, assinaram uma carta aberta a repudiar a saída de Nuno Artur Silva do conselho de administração da RTP. O abaixo-assinado, a que a agência Lusa teve acesso, foi enviado ao primeiro-ministro, ao ministro da Cultura, ao presidente do Conselho de Administração da RTP e ao presidente do Conselho Geral Independente da empresa pública de rádio e televisão.

“Enquanto cidadãos interessados na coisa pública, enquanto profissionais e espectadores, pedimos explicações. A que se deve esta decisão? A explicação dada no comunicado [de 25 de janeiro] não nos esclarece. Queremos entender o porquê e perceber a razão. Conhecem alguém mais competente para este cargo do que Nuno Artur Silva? Nós, não“, lê-se na carta aberta.

O documento é assinado por mais de 200 pessoas, entre as quais Aida Tavares, diretora artística do Teatro Municipal São Luiz, o encenador Jorge Silva Melo, a historiadora Irene Flunsel Pimentel, o fadista Camané, o músico José Mário Branco, o cantor Salvador Sobral, a atriz Lia Gama, o escritor José Eduardo Agualusa, o dramaturgo José Maria Vieira Mendes, a artista plástica Fernanda Fragateiro, o argumentista Nuno Markl, o realizador Marco Martins.

Consideramos este processo muito estranho e fazemos aqui um pedido de esclarecimento ao Conselho Geral Independente. Queremos saber o que se passou”, afirmou Aida Tavares à agência Lusa. O abaixo-assinado inclui ainda, entre outros, o deputado do PS João Galamba, o advogado e antigo ministro da Cultura José António Pinto Ribeiro, Pilar del Rio, presidente da Fundação José Saramago, o historiador e comentador Rui Tavares e o advogado Ricardo Sá Fernandes.

Em causa está a decisão do Conselho Geral Independente (CGI) da RTP, de 25 de janeiro, de não recondução de Nuno Artur Silva e Cristina Vaz Tomé do conselho de administração da RTP. O CGI, órgão que supervisiona a administração da estação pública, apenas reconduziu Gonçalo Reis na presidência da RTP, para o triénio 2018-2020.

Em comunicado, o CGI afirmou que a continuidade de Nuno Artur Silva na RTP era “incompatível com a irresolução do conflito de interesses entre a sua posição na empresa e os seus interesses patrimoniais privados, cuja manutenção não é aceitável”. Apesar desse conflito de interesses, o CGI, “no âmbito das suas funções de supervisão e fiscalização”, não verificou “que isso tenha sido lesivo da empresa, no decurso do seu mandato”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galamba, Agualusa e mais 200 figuras da cultura e media questionam saída de Nuno Artur Silva da RTP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião