Conselho Geral Independente pede mais “transparência” à RTP

Entidade quer um "clima de transparência" na estação pública e que esta seja "modelo de organização responsável e eficaz". O ECO teve acesso às linhas orientadoras até 2020, já aprovadas.

As linhas orientadoras para a RTP até 2020 foram aprovadas esta segunda-feira, dias depois de um administrador ter sido afastado por alegado “conflito de interesses”.Paula Nunes

O Conselho Geral Independente (CGI) da RTP pede mais “transparência” à estação pública e quer que a empresa seja “um modelo de organização responsável e eficaz”. O pedido é feito no documento das linhas de orientação estratégica até 2020, aprovadas esta segunda-feira e a que o ECO teve acesso. Ao longo de oito páginas, a palavra “transparência” aparece mesmo por diversas vezes e em áreas distintas, dias depois de a mesma entidade ter afastado o administrador Nuno Artur Silva por “irresolução do conflito de interesses entre a sua posição na empresa e os seus interesses patrimoniais privados”, como foi noticiado na altura.

É logo num dos primeiros pontos do documento que o CGI faz a primeira referência à transparência. Na visão da entidade, a RTP deve “criar condições para a motivação dos trabalhadores e colaboradores da empresa, a todos os níveis, através de mecanismos de auscultação e participação, assim como de um clima de transparência e de responsabilização (…)”. A empresa deve ainda “negociar os contratos de fornecimento de conteúdos de forma transparente, cumpridora da legislação em vigor e equilibrada quanto ao peso dos diversos profissionais internos e externos à empresa (…)”.

Mas o CGI não fica por aqui. Mais à frente no documento, pede à RTP que defina “uma política de transparência e de informação sobre a atividade” da estação pública, bem como “assegurar uma informação independente de todo o tipo de poderes. Quanto aos comentários políticos, o conselho pede à estação que evite “o recurso ao comentário político regular exercido por figuras políticas no ativo”.

A RTP esteve envolvida em polémica no final de janeiro. Concretamente, o afastamento de Nuno Artur Silva da administração do canal, por ser também administrador e proprietário da empresa Produções Fictícias.

A RTP deve optar por formatos que não mimetizem modelos organizados de polémica que hoje prevalecem no domínio mediático.

Conselho Geral Independente da RTP

Linhas de orientação estratégica 2018-2020

Noutras orientações para a administração da RTP, encabeçada por Gonçalo Reis, o CGI debruça-se sobre o fenómeno do desporto-rei em Portugal, “atendendo à relevância que o futebol assume hoje na sociedade portuguesa”. Por isso, indica à estação pública que evite “potenciais de tensões e antagonismos, com consequências na vida quotidiana dos portugueses”. “Nos seus programas de rádio e de televisão, a RTP deve optar por formatos que não mimetizem modelos organizados de polémica que hoje prevalecem no domínio mediático, desenvolvendo espaços analíticos e opinativos em que o rigor técnico e educativo prevaleça sobre a veiculação de visões sectárias”, lê-se no documento.

Ao nível da qualidade, é recomendado à companhia que desenvolva “um barómetro de qualidade, credibilidade e notoriedade para a RTP, realizar regularmente estudos sobre o serviço público de media que permitam à empresa conhecer melhor os seus públicos e as novas tendências nos consumos de media e compreender como o público avalia o desempenho da RTP quanto aos princípios e obrigações do serviço público”. Neste aspeto, a empresa deve ainda “prosseguir e completar os estudos sobre a qualidade com que chegam às casas dos portugueses as emissões dos vários serviços de programas de rádio bem como de televisão, em particular da TDT”, referem as linhas orientadoras.

Em suma, o CGI da estação pública “um modelo de organização responsável e eficaz”. Até ao final desta semana, o CGI deverá reunir para fechar a nova administração da estação pública. Já é dado como certo que Gonçalo Reis, atual presidente executivo, deverá se reconduzido até 2020. O CGI é presidido por António Castro Feijó e integra Diogo Homem de Lucena, Francisco Seixas da Costa, José Carlos Vieira de Andrade, Maria Carvalho e Sousa e Maria de Carvalho Luz Afonso.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conselho Geral Independente pede mais “transparência” à RTP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião